Preste atenção à sua conexão intestino-cérebro – pode contribuir para seus problemas de ansiedade e digestão

A conexão intestino-cérebro não é brincadeira; pode vincular a ansiedade a problemas estomacais e vice-versa. Você já teve uma experiência “dolorosa”? Algumas situações fazem você se sentir enjoado? Você já sentiu “borboletas” no estômago? Usamos essas expressões por um motivo. O trato gastrointestinal é sensível à emoção. Raiva, ansiedade, tristeza, euforia – todos esses sentimentos (e outros) podem desencadear sintomas no intestino.

O cérebro tem um efeito direto no estômago e no intestino. Por exemplo, o próprio pensamento de comer pode liberar o suco do estômago antes que a comida chegue lá. Essa conexão é nos dois sentidos. Um intestino com problemas pode enviar sinais para o cérebro, assim como um cérebro com problemas pode enviar sinais para o intestino. Portanto, o estômago ou a angústia intestinal de uma pessoa podem ser a causa ou o produto da ansiedade, estresse ou depressão. Isso ocorre porque o cérebro e o sistema gastrointestinal (GI) estão intimamente conectados.

Isto é especialmente verdade nos casos em que uma pessoa experimenta distúrbios gastrointestinais sem causa física óbvia. Para esses distúrbios gastrointestinais funcionais, é difícil tentar curar um intestino angustiado sem considerar o papel do estresse e da emoção.

Saúde e ansiedade intestinais

Dada a proximidade com a qual o intestino e o cérebro interagem, fica mais fácil entender por que você pode sentir náuseas antes de fazer uma apresentação ou sentir dores intestinais durante períodos de estresse. Isso não significa, no entanto, que condições gastrointestinais funcionais sejam imaginadas ou “tudo na sua cabeça”.

A psicologia se combina com fatores físicos para causar dor e outros sintomas intestinais. Fatores psicossociais influenciam a fisiologia real do intestino, bem como os sintomas. Em outras palavras, o estresse (ou depressão ou outros fatores psicológicos) pode afetar os movimentos e as contrações do trato gastrointestinal, piorar a inflamação ou talvez torná-lo mais suscetível à infecção.

Além disso, pesquisas sugerem que algumas pessoas com distúrbios gastrointestinais funcionais percebem a dor de maneira mais aguda do que outras porque o cérebro é mais sensível aos sinais de dor do trato gastrointestinal. O estresse pode fazer com que a dor existente pareça ainda pior.

Com base nessas observações, você pode esperar que pelo menos alguns pacientes com condições gastrointestinais funcionais possam melhorar com a terapia para reduzir o estresse ou tratar a ansiedade ou a depressão. E com certeza, uma revisão de 13 estudos mostrou que os pacientes que tentaram abordagens psicológicas tiveram uma melhora maior em seus sintomas digestivos em comparação com os pacientes que receberam apenas tratamento médico convencional.

Conexão intestino-cérebro, ansiedade e digestão

Seus problemas estomacais ou intestinais – como azia, cólicas abdominais ou fezes moles – estão relacionados ao estresse? Observe estes outros sintomas comuns de estresse e discuta-os com seu médico. Juntos, você pode criar estratégias para ajudá-lo a lidar com os estressores de sua vida e também aliviar seus desconfortos digestivos.

Sintomas físicos

• Músculos rígidos ou tensos, especialmente no pescoço e ombros

• Dores de cabeça

• Problemas de sono

• Instabilidades ou tremores

• Perda recente de interesse em sexo

• Perda ou ganho de peso

• Inquietação

Sintomas comportamentais

• Procrastinação

• Ranger os dentes

• Dificuldade em concluir as tarefas de trabalho

• Alterações na quantidade de álcool ou comida que você consome

• Começar a fumar ou fumar mais do que o normal

•Ruminação (conversas frequentes ou meditação sobre situações estressantes)

Sintomas emocionais

• Choro

• Esmagadora sensação de tensão ou pressão

• Problemas para relaxar

• Nervosismo

• Mau humor

• Depressão

• Falta de concentração

• Problemas para lembrar coisas

• Perda de senso de humor

• Indecisão


Fonte: Health harvard

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.