Fonte: Universidade de Oxford

A solidão prejudica diretamente o sistema imunológico, tornando-nos menos resistentes a doenças e infecções. De fato, sentir-se sozinho e ter poucos amigos pode resultar em uma defesa imunológica particularmente ruim. Pessoas que são mais socialmente integradas, no entanto, têm biomarcadores melhor ajustados para a função fisiológica, incluindo pressão arterial sistólica mais baixa, menor índice de massa corporal e níveis mais baixos de proteína C reativa (outra resposta molecular à inflamação).

Os seres humanos são intensamente sociais e se beneficiam psicologicamente e fisicamente da interação social. Quanto mais apertados estivermos inseridos em uma rede de amigos, por exemplo, menor será a probabilidade de adoecermos e maiores serão as taxas de sobrevivência.

Verificou-se que pessoas que pertencem a mais grupos, como clubes esportivos, igrejas ou grupos de hobby, reduzem o risco de depressão futura em quase 25%.

O professor associado e o presidente de inteligência artificial do CIFAR do Canadá, Danilo Bzdok, disseram: ‘Somos criaturas sociais. A interação social e a cooperação alimentaram a rápida ascensão da cultura e civilização humanas. No entanto, as espécies sociais lutam quando forçadas a viver isoladas. Dos bebês aos idosos, a inserção psicossocial nos relacionamentos interpessoais é fundamental para a sobrevivência.
Agora é mais urgente do que nunca reduzir a lacuna de conhecimento de como o isolamento social afeta o cérebro humano, bem como o bem-estar físico e mental. ‘

O professor emérito de psicologia evolucionária Robin Dunbar disse: ‘A solidão se acelerou na última década. Dadas as conseqüências potencialmente graves que isso pode ter em nossa saúde mental e física, há um crescente reconhecimento e vontade política de enfrentar esse desafio social em evolução. Como conseqüência, o Reino Unido lançou a ‘Campanha para acabar com a solidão’ – uma rede de mais de 600 organizações nacionais, regionais e locais para criar as condições certas para reduzir a solidão mais tarde na vida. Tais esforços se referem ao crescente reconhecimento público e à vontade política de enfrentar esse desafio social em evolução. Essas preocupações só podem ser exacerbadas se houver períodos prolongados de isolamento social impostos pelas respostas das políticas nacionais a crises extraordinárias, como o COVID-19. ‘

A Neurobiologia da Distância Social”. por Danilo Bzdok, Robin IM Dunbar.
Tendências em ciências cognitivas doi: 10.1016 / j.tics.2020.05.0167

Créditos da imagem: Mar Bustos

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.