Após meses de coleta de dados, os cientistas concordam: a variante delta é a versão mais contagiosa do coronavírus em todo o mundo. Ele se espalha cerca de 225% mais rápido do que a versão original do vírus.

Um novo estudo, publicado online na quarta-feira, esclarece o porquê. Ele descobriu que a variante cresce mais rapidamente dentro do trato respiratório das pessoas e a níveis muito mais elevados, relataram pesquisadores do Centro Provincial de Guangdong para Controle e Prevenção de Doenças.

Em média, as pessoas infectadas com a variante delta tinham cerca de 1.000 vezes mais cópias do vírus em suas vias respiratórias do que aquelas infectadas com a cepa original do coronavírus, relatou o estudo.

Além disso, depois que alguém pega a variante delta, a pessoa provavelmente fica infecciosa mais cedo. Em média, levou cerca de quatro dias para a variante delta atingir níveis detectáveis ​​dentro de uma pessoa, em comparação com seis dias para a variante original do coronavírus.

No estudo, os cientistas analisaram pacientes com COVID-19 envolvidos no primeiro surto da variante delta na China continental, que ocorreu entre 21 de maio e 18 de junho em Guangzhou, capital da província de Guangdong. Os pesquisadores mediram os níveis do vírus em 62 pessoas envolvidas naquele surto e os compararam com os níveis de 63 pacientes infectados em 2020 com uma versão inicial do vírus.

Suas descobertas sugerem que as pessoas que contraíram a variante delta provavelmente estão espalhando o vírus no início da infecção.

E os cientistas ressaltam a importância de colocar em quarentena imediatamente por 14 dias após entrar em contato com alguém com diagnóstico de COVID-19, conforme recomenda o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

Ou melhor ainda, vacinar-se totalmente. Dados preliminares mostram que em alguns estados dos EUA, 99,5% das mortes de COVID-19 nos últimos meses foram entre pessoas que não foram vacinadas, disse a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky, na quinta-feira na Casa Branca.

Rastreando a variante Delta

A variante Delta do SARS-CoV-2 já foi detectada em mais de 100 países e nos próximos meses, espera-se que se torne a cepa dominante globalmente, se espalhando rapidamente em países com baixa e alta cobertura vacinal, de acordo com o chefe da Organização Mundial da Saúde ( OMS ).

Dezenas de países, incluindo África do Sul, Bangladesh, Indonésia e Tailândia, implementaram novas proibições de viagens ou restrições mais rígidas para impedir a disseminação do vírus.

A variante Delta foi detectada pela primeira vez na Índia em outubro de 2020. Em 1º de junho, ela havia se espalhado para 62 países. Duas semanas depois, havia sido encontrada em 80 países e, em 4 de julho, o número subiu para 104. Cazaquistão, Laos, Letônia, Líbano, Namíbia, Omã e Serra Leoa são os últimos países a confirmar a presença da variante Delta.

Vacinas eficazes

A OMS diz que mais dados de pesquisa são necessários para confirmar se a variante Delta causa casos mais graves do que outras variantes conhecidas.

Ao mesmo tempo, exortou os governos a intensificarem seus esforços de vacinação e apelou às nações ricas para garantir que as vacinas sejam compartilhadas de forma equitativa para resistir à ameaça de surtos de COVID-19.

Com informações de NPR e Aljazeera

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.