As orquídeas estão entre as plantas com flores mais tortuosas do planeta. Muitas espécies enganam os polinizadores para ajudá-los a se reproduzir. Alguns liberam feromônios sexuais que atraem insetos machos, enquanto outros produzem pólen falso para seduzir as abelhas e outros polinizadores com a promessa de uma refeição. Os cientistas agora mostraram que esse pseudopolen não é apenas uma falsificação atraente: é tão nutritivo quanto a coisa real.

O trabalho é “um passo à frente” para a área, diz Kevin Davies, botânico e especialista em anatomia de orquídeas da Universidade de Cardiff que não esteve envolvido com a pesquisa. Esta é a primeira vez que os cientistas conseguiram mostrar que o pseudopollen não é apenas ouro de tolo, diz ele.

Como a maioria das orquídeas, Cypripedium wardii não produz pólen comestível. A espécie – nativa da China e do Tibete e caracterizada por flores de hortelã-pimenta em forma de chinelo – deve usar outros meios para atrair seus insetos polinizadores. Suas flores não oferecem néctar, nem parecem ter uma fragrância atraente. Em vez disso, seus lábios são polvilhados com um pó formado por pequenos pêlos que se soltam, cobrindo a superfície; se parece muito com o pólen real.

Vários tipos de orquídeas produzem esse pseudopolen. Alguns contêm lipídios, carboidratos e proteínas. Outros não contêm nenhum nutriente. Embora a substância tenha sido descrita pela primeira vez há mais de 100 anos, os cientistas não sabiam se os insetos realmente a comiam.

No novo estudo, pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências observaram 12 espécies de abelhas solitárias e hoverfly, parentes inofensivos das pragas que infestam nosso lixo, coletando pseudopolen de orquídeas C. wardii nas montanhas florestadas da província de Sichuan. Os cientistas pegaram alguns dos insetos e os trouxeram de volta ao laboratório para dissecação. Cortando os minúsculos cadáveres, eles descobriram partículas de pseudopolen se movendo através de seus tratos digestivos , como relataram no mês passado no servidor de pré-impressão bioRxiv. A análise das partículas revelou que elas continham lipídios, indicando seu valor nutricional.

“Esta é a primeira vez que confirmamos que o pseudopollen é uma recompensa real”, diz o co-autor Luo Yi-Bo.

Mas os insetos estão realmente sendo enganados? Rodrigo Singer, botânico que estuda polinização de orquídeas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, não pensa assim. Ele acredita que as abelhas e as moscas sentem que o pseudopolen é nutritivo – portanto, as orquídeas não estão puxando um rápido neles.

De qualquer forma, Davies espera que as descobertas encorajem os cientistas a olhar para o pseudopolen produzido por outras orquídeas para ver se ele também pode ser comido. Independentemente de enganarem seus convidados, as orquídeas C. wardii parecem ter desenvolvido uma maneira inteligente de garantir que suas flores sejam fertilizadas.

Fonte: ScienceMag

Imagem de capa: ZHENG CHEN-CHEN

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.