Em todo o mundo, existem mais de 80.000 espécies diferentes de moscas, cuja morfologia varia consideravelmente de uma espécie para outra. Alguns podem morder e se alimentar de sangue humano ou animal, arrancando (com suas mandíbulas) um pedaço de carne para acessar os capilares. Outros se alimentam apenas da carne arrancada pela decomposição ou simplesmente se alimentam de matéria orgânica em decomposição. Alguns também têm uma dieta muito específica, como a mosca da cereja, que, como o próprio nome sugere, se alimenta exclusivamente de cerejas.

Mosca doméstica: potencialmente mais perigosa que mosquitos

Sem mandíbulas, as moscas “não mordedoras” se alimentam exclusivamente de líquido. Ao desembarcar em alimentos sólidos, primeiro vomitavam uma mistura de saliva e restos de alimentos pré-digeridos, a fim de pré-decompô-los e sugá-los, levando-os gota a gota com as patas.

Segundo pesquisadores da Universidade de Massachusetts, a mosca doméstica seria a mais temida, pois sendo onívora, pousa e se alimenta de qualquer coisa que possa fornecer nutrientes e energia. Presente em abundância tanto no campo quanto nas áreas urbanas, pode pousar em alimentos frescos ou estragados, nas secreções de pacientes, nas fezes, etc. É particularmente atraído pelo calor e certos odores, como os de açúcar e decomposição.

Cada vez que comem, regurgitam parte do que consumiram anteriormente, incluindo patógenos (contidos, por exemplo, em excrementos). Eles enchem uma espécie de bolso como um reservatório, que serviria principalmente como local de armazenamento e não de digestão. Esse bolso serve tanto como um reservatório de enzimas, que eles cuspem para pré-decompor seus alimentos, quanto como um reservatório de comida – que então passará para outro bolso destinado à digestão.

Os agentes patogênicos que eles podem sugar não são, portanto, completamente digeridos, sendo a bolsa de armazenamento fornecida com apenas algumas enzimas. Ou seja, também que eles são cobertos com toda a matéria decomposta em que pousam (e depois pousam em nós ou em nossa comida). Embora moscas sugadoras de sangue e outros insetos que picam com acesso direto à corrente sanguínea sejam muitas vezes considerados mais perigosos, “devemos ter cuidado com aqueles que vivem entre nós, pois obtêm seus nutrientes de pessoas e animais que liberam patógenos em suas lágrimas, fezes e feridas”, alerta John Stoffolano, professor de entomologia da Universidade de Massachusetts e principal autor do estudo.

Por causa disso, a mosca doméstica pode facilmente transmitir doenças como cólera, salmonelose, febre tifóide, tuberculose, etc. Além disso, algumas moscas que desenvolveram resistência a inseticidas podem abrigar patógenos resistentes a antibióticos.

Um membro importante do ecossistema

No entanto, deve-se notar que, apesar da percepção geralmente negativa que temos da mosca, ela faz parte de um importante serviço ecossistêmico. Devido ao seu consumo de matéria orgânica em decomposição, desempenha um papel importante na eliminação de resíduos, que posteriormente alimentam outros insetos ou trazem nutrientes ao solo para as plantas. A mosca também é um dos polinizadores e contribui para o ciclo reprodutivo das plantas.

Por outro lado, também faz parte de uma cadeia alimentar que inclui muitas espécies, como pássaros, batráquios, aracnídeos, etc. Buscar erradicá-la perturbaria assim um equilíbrio fundamental estabelecido na biosfera há milhares de anos.

Trust my science

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.