Em resposta ao recente apoio mundial aos protestos do Black Lives Matters, a Band-Aid anunciou na semana passada que expandirá sua linha de produtos para incluir bandagens com uma variedade de tons de pele.

“Nós ouvimos vocês. Nós vemos vocês. Estamos ouvindo vocês ”, escreveu a empresa no Instagram . “Somos solidários com nossos colegas negros, colaboradores e comunidade na luta contra o racismo, a violência e a injustiça. Estamos comprometidos em tomar ações para criar mudanças tangíveis para a comunidade negra.⁣ ”

View this post on Instagram

We hear you. We see you. We’re listening to you.⁣ ⁣ We stand in solidarity with our Black colleagues, collaborators and community in the fight against racism, violence and injustice. We are committed to taking actions to create tangible change for the Black community.⁣ ⁣ We are committed to launching a range of bandages in light, medium and deep shades of Brown and Black skin tones that embrace the beauty of diverse skin. We are dedicated to inclusivity and providing the best healing solutions, better representing you.⁣ ⁣ In addition, we will be making a donation to @blklivesmatter.⁣ We promise that this is just the first among many steps together in the fight against systemic racism.⁣ ⁣ We can, we must and we will do better.

A post shared by BAND-AID® Brand Bandages (@bandaidbrand) on

As bandagens virão em tons claros, verde-oliva e mais escuros de tons marrons e pretos, para refletir a diversidade de consumidores que precisam de bandagens.

Outras empresas já haviam entrado em cena para preencher o vazio, incluindo a Tru-Color, empresa iniciada por um homem branco.

Toby Meisenheimer havia adotado um filho negro e queria “afirmar e celebrar a identidade de seu filho” por quem ele era. Iniciado em 2014, o Tru-Color fornece ataduras de tom de pele e fita de cinesiologia para pessoas de todas as cores da pele

Além da mudança, a Band-Aid diz que fará uma doação ao Black Lives Matter.

“Prometemos que este é apenas o primeiro entre muitos passos juntos na luta contra o racismo sistêmico”, escreveu a Band-Aid. “Nós podemos, devemos e faremos melhor.”

do site Good news network

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.