Os bebês nascidos de cesariana têm um nível reduzido de bactérias intestinais “boas” e um número aumentado de patógenos ligados ao ambiente hospitalar, de acordo com uma pesquisa co-liderada pela UCL, que é o estudo mais abrangente sobre o microbioma infantil até hoje.

No estudo, publicado na revista Nature , os pesquisadores analisaram bactérias intestinais em amostras de fezes de 596 bebês nascidos em hospitais britânicos – 314 bebês que tiveram parto vaginal e 282 nascidos por cesariana. Eles coletaram amostras quatro, sete e 21 dias após o nascimento e mais tarde na infância e também analisaram amostras de 175 mães para determinar a origem da bactéria intestinal. As amostras foram coletadas como parte do Estudo do Bioma do Bebê, co-liderado pelo Dr. Nigel Field (Instituto UCL de Saúde Global).

Os pesquisadores concluíram que os bebês nascidos de cesariana tinham um número reduzido de Bacteroides “bons” derivados de suas mães e um número aumentado de patógenos oportunistas, incluindo as espécies Enterococcus, Enterobacter e Klebsiella.

O estudo fornece evidências de que a primeira colonização do intestino de um recém-nascido por bactérias varia de acordo com diferentes métodos de nascimento. Os pesquisadores concluíram que o tipo de nascimento é um fator de risco significativo na composição do microbioma intestinal dos recém-nascidos até a infância.

Imediatamente após um nascimento natural, os intestinos dos bebês são rapidamente colonizados com microrganismos das mães, mas também por micróbios do ambiente. Por vários anos, os pesquisadores suspeitam que as doenças da infância e da vida adulta podem ser o resultado de uma primeira colonização perturbada do microbioma intestinal de recém-nascidos.

Os pesquisadores cultivaram mais de 800 cepas de bactérias e depois analisaram todo o genoma (sequenciamento do genoma). Como resultado, eles detectaram fatores de virulência bacteriana e resistência antimicrobiana clinicamente relevante em crianças com cesariana em alguns patógenos oportunistas, o que poderia tornar seus portadores suscetíveis a infecções com o sistema imunológico enfraquecido.

Ainda não está claro onde e como ocorre exatamente a colonização com patógenos oportunistas resistentes a antimicrobianos em pessoas nascidas por cesariana e em que medida o ambiente hospitalar difere entre nascimentos naturais e cesáreos.

O estudo não pode fazer nenhuma declaração sobre consequências clínicas concretas da colonização alterada, mas os autores pedem estudos de coorte prospectivos e de longo prazo que também incluam bebês de nascimentos em casa.

O autor sênior Dr. Nigel Field (Instituto de Saúde Global da UCL) disse: “Nosso estudo mostrou que, à medida que os bebês crescem e absorvem bactérias quando se alimentam e de tudo ao seu redor, seus microbiomas intestinais se tornam mais parecidos entre si. Após o desmame, as diferenças de microbioma entre os bebês nascidos por cesariana e os partidos vaginais praticamente se igualaram. Ainda não sabemos se as diferenças iniciais que encontramos terão implicações na saúde. ”


Fonte: UCL / Pesquisa original: Babies born by C-section have different gut bacteria /

Nature: Stunted microbiota and opportunistic pathogen colonization in caesarean-section birth / Crédito da imagem: Photo by Christian Bowen on Unsplash

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.