Quatro cães farejadores foram colocados no aeroporto de Helsinque para detectar o COVID-19 como parte de um projeto piloto.

Pesquisadores da Universidade de Helsinque, que estão supervisionando o esquema, sinalizaram em um comunicado divulgado na quinta-feira que “cães corona” especialmente treinados têm uma taxa de sucesso de farejar o vírus mortal que varia de 94 a 100 por cento, dependendo do cão.

Os cães também podem detectar o coronavírus a partir de uma quantidade significativamente menor de vírus do que os testes de PCR comumente usados ​​e são muito mais rápidos para fazer isso.

O teste de passageiros e funcionários do aeroporto deve ser feito voluntariamente. Para não assustar os animais e reduzir os riscos para pessoas que possam ser alérgicas a cães, os testes serão realizados por amostragem.

Os passageiros e funcionários farão uma varredura na pele, colocarão a amostra em um recipiente que será entregue a um treinador na parede onde o cão irá cheirar a amostra. Se o resultado for positivo, o passageiro será direcionado ao posto de informações de saúde do Helsinki University Hospital para obter mais instruções.

Graças ao seu sentido olfativo extremamente sensível, descobriu-se que cães farejavam COVID-19 em pessoas com muita facilidade e, portanto, treiná-los é relativamente rápido – pode levar apenas algumas horas.

Eles também identificaram o vírus em pessoas assintomáticas, dias antes do início dos sintomas, o que os exames laboratoriais não podem fazer.

Os pesquisadores acreditam que, se bem-sucedido, o esquema piloto pode levar a “cães corona” sendo implantados em uma variedade de ambientes, como asilos ou casas de repouso e alfândega e outros pontos de fronteira. Eles também podem ser usados ​​para testar profissionais do setor de assistência médica e, assim, ajudar a evitar quarentena desnecessária.

Susanna Paavilainen, CEO da Nose Academy Oy, responsável pelo treinamento e operação dos cães, destacou que o risco para o animal é mínimo.

“Frequentemente se pergunta se um cão pode pegar o coronavírus. De acordo com estudos, os cães não têm o receptor ao qual o coronavírus se liga”, disse ela.

Fonte: ScienceAlert

 

Foto de capa: (Finavia)

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.