A maioria dos ataques cardíacos ocorre devido ao bloqueio das artérias coronárias por coágulos sanguíneos que se formam quando as placas de colesterol se rompem. A falta de fluxo sanguíneo através das artérias bloqueadas resulta em morte do músculo cardíaco – daí o nome “ataque cardíaco”. No entanto, existe outra forma de ataque cardíaco chamada cardiomiopatia por takotsubo.

Nos últimos anos, os médicos passaram a reconhecer e entender melhor essa forma de ataque cardíaco. Esse tipo incomum de ataque cardíaco não envolve a ruptura de placas ou os vasos sanguíneos bloqueados.

É chamada de cardiomiopatia por takotsubo ou cardiomiopatia por estresse. Os médicos japoneses, que foram os primeiros a descrever essa condição, o chamaram de “takotsubo” porque, durante esse distúrbio, o coração assume uma forma distinta que se assemelha a uma panela japonesa usada para prender um polvo.

Acredita-se que a cardiomiopatia de Takotsubo seja causada por estresse emocional repentino, como a morte de um ente querido, e seja muito menos prejudicial do que um ataque cardíaco típico. Por esse motivo, alguns também rotularam essa condição de “síndrome do coração partido”.

Um estudo realizado na edição de 3 de setembro de 2015 do New England Journal of Medicine relata o trabalho de uma colaboração internacional de médicos dos Estados Unidos e da Europa que estudou 1.750 pacientes com cardiomiopatia por takotsubo.

Curiosamente, 90% desses casos ocorreram em mulheres, e as mulheres deste estudo tinham uma média de 67 anos de idade. Os gatilhos mais comuns da cardiomiopatia por estresse foram físicos (como problemas pulmonares ou infecções), e a causa mais comum seguinte foi um “choque” emocional. Mas em uma proporção substancial de pacientes, não havia nenhum gatilho que pudesse ser identificado.

Comparados às pessoas que sofreram um ataque cardíaco “típico”, os pacientes com cardiomiopatia por takotsubo tiveram quase duas vezes mais chances de ter um distúrbio neurológico ou psiquiátrico. E, em contraste com a crença comum entre os médicos de que a cardiomiopatia por takotsubo é menos grave do que outras formas de ataque cardíaco, as taxas de morte no hospital entre a cardiomiopatia por takotsubo e ataques cardíacos mais “tradicionais” eram semelhantes.

À medida que a conscientização sobre a cardiomiopatia por takotsubo aumenta entre médicos e pacientes, suspeito que estaremos reconhecendo ainda mais casos de cardiomiopatia por takotsubo no futuro. A condição certamente não parece tão rara quanto se suspeitava, nem tão inofensiva quanto se pensava.

Pesquisas futuras serão necessárias para determinar o melhor atendimento para pacientes com cardiomiopatia por takotsubo e diminuir o risco de problemas futuros. No momento, muitas vezes usa-se os mesmos medicamentos para tratar o enfraquecimento do músculo cardíaco na cardiomiopatia por takotsubo, assim como se faz com outras formas de ataque cardíaco, mas ainda não existem muitos estudos bons sobre as melhores opções de medicamentos para pessoas que sofreram cardiomiopatia por takotsubo.

A ligação com distúrbios neurológicos ou psiquiátricos é intrigante e sugere que uma importante conexão coração-mente é relevante para algumas manifestações da cardiomiopatia por takotsubo e, possivelmente, também para outras condições cardíacas.

Fonte: Havard Health Publishing

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.