A doença de Alzheimer tem sido um mistério, mas os pesquisadores trabalham duro para tentar descobrir uma maneira de prevenir e até curar a condição debilitante .

Pode haver ajuda a caminho. Um novo estudo publicado na Plos Genetics está revelando que a condição pode estar diretamente ligada aos ritmos circadianos.

A descoberta pode levar a um novo tratamento preventivo, que desta vez pode realmente funcionar.

danie franco Zi8 E3qJ RM unsplash 1024x681 - Cientistas dão mais um passo importante para resolver o mistério da doença de Alzheimer

O mistério do Alzheimer resolvido?

“Compreender como nossos ritmos circadianos podem regular os níveis de heparano na superfície celular para controlar o acúmulo de beta-amiloide pode levar ao desenvolvimento de cronoterapêuticos que aliviam os sintomas da doença de Alzheimer, bem como outras doenças inflamatórias”, disse em um comunicado de imprensa. Jennifer Hurley, do Rensselaer Polytechnic Institute, que liderou o estudo.

O que os pesquisadores encontraram? Seu trabalho revelou que as células imunes responsáveis ​​por eliminar uma proteína chave que se acumula no cérebro de pacientes com doença de Alzheimer funcionam de acordo com os ritmos circadianos diários, os ciclos de 24 horas que controlam muitos elementos da fisiologia humana.

Esta descoberta chave pode levar a uma possível explicação para a ligação entre a doença de Alzheimer e interrupções no ciclo de sono de uma pessoa. Estudos anteriores já descobriram que as interrupções do sono podem ser indicadores precoces da doença de Alzheimer, uma vez que começam anos antes dos sintomas da doença aparecerem e são uma indicação de um risco maior de desenvolver a doença.

A nova pesquisa avaliou a atividade das células imunes responsáveis ​​pela eliminação de proteínas chamadas beta-amiloide que se acumulam como placas no cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. Os cientistas descobriram que as células imunes eliminam a beta-amiloide em um ciclo determinado pelos ritmos circadianos.

Um mecanismo molecular identificado

Qualquer falha nesse ritmo resultava no desaparecimento do ciclo diário e, portanto, no aumento do acúmulo de perigosas proteínas beta-amiloides. A partir daí, os cientistas deduziram que existia um mecanismo molecular potencialmente responsável pela ligação entre a doença de Alzheimer e os ritmos circadianos e desempenhava um papel fundamental no desenvolvimento da doença.

Poderia este ser o avanço que leva a um tratamento de Alzheimer que realmente funciona? É difícil dizer, já que a pesquisa ainda está em seus estágios iniciais, mas os resultados já apresentam um potencial para evitar a doença. Se a depuração diária das proteínas beta-amilóides puder ser mantida, os pacientes podem ter menos probabilidade de desenvolver a doença e ou, pelo menos, sofrer de sintomas menos graves.

Fonte: Interesting Engineering

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.