Por que algumas pessoas mantêm a maior parte do cabelo até a velhice, enquanto outras o perdem prematuramente? Os pesquisadores acreditam ter identificado a principal razão para essa diferença, e ela é, como você pode imaginar, genética. A descoberta deles pode redefinir a própria maneira como interpretamos certos mecanismos do envelhecimento e pode um dia ajudar a prevenir a calvície em humanos.

A equipe de pesquisa, da Northwestern University (Estados Unidos), conseguiu identificar dois genes-chave envolvidos no envelhecimento estudando o cabelo de camundongos. A descoberta pode lançar as bases para novos tratamentos para a queda de cabelo humana. Os detalhes foram publicados na revista Nature Aging .

Envelhecimento do cabelo: um processo complexo

Até agora, os cientistas acreditavam que, devido a um processo chamado “esgotamento das células-tronco”, as células-tronco nas protuberâncias dos folículos pilosos em crescimento (HSFCs) morrem com o tempo. De acordo com essa teoria, é assim que o cabelo fica branco antes de morrer, depois que um número suficiente de células-tronco morrem.

Mas, ao observar o crescimento e o envelhecimento de grupos de cabelos individuais em camundongos, a equipe de pesquisadores, liderada por Rui Yi, professor de patologia da Northwestern University, descobriu que essa teoria pode estar errada.

Em vez de morrer, as células-tronco literalmente se extraíram dos minúsculos orifícios nos folículos capilares, mudando sua forma. Em outras palavras, as células-tronco desistiram de seu “trabalho” e escaparam naturalmente. ” Se eu não tivesse visto com meus próprios olhos, não teria acreditado “, disse Yi no New York Times . ” É quase uma loucura em minha mente .”

43587 2021 101 Fig1 HTML 1024x570 - Cientistas descobrem possíveis causa e cura da calvície

Os pesquisadores então observaram o crescimento de folículos capilares individuais nas orelhas de camundongos usando um laser de comprimento de onda longo, capaz de penetrar profundamente no tecido. Eles marcaram os folículos pilosos com uma proteína fluorescente verde, anestesiaram os animais para que não se movessem e, então, observaram cuidadosamente o que acontecia:

Yi e sua equipe analisaram os processos genéticos que determinam essa atividade e identificaram dois genes chamados FOXC1 e NFATC1, responsáveis ​​por aprisionar células-tronco na saliência do folículo, que eram menos ativas nas células mais antigas do folículo piloso.

Para provar sua teoria, a equipe modificou camundongos geneticamente para remover esses dois genes. Depois de apenas quatro a cinco meses, eles começaram a perder seus cabelos. Após 16 meses, aproximadamente a idade média dos camundongos, eles perderam a maior parte do cabelo, exceto alguns tufos de cabelos grisalhos.

Os pesquisadores agora estão testando se podem realmente impedir que as células-tronco escapem dos folículos de camundongos envelhecidos. Se eles tiverem sucesso neste modelo animal, ele poderá potencialmente se aplicar a humanos e, assim, um dia permitir o desenvolvimento de um tratamento que previna a queda de cabelo.

Trust My Science / Créditos da imagem principal:

Pixabay/Reddit (n/a)/Trust My Science (Edit)

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.