À medida que a pandemia de coronavírus se espalhava pelo mundo neste ano com um efeito tão devastador, muitos de nós fazíamos as mesmas perguntas. Como o vírus se espalha? Como faço para me proteger da infecção?

A verdade é que ainda estamos aprendendo como funciona o SARS-CoV-2 . A orientação oficial do CDC sugere que a principal forma de propagação do vírus é por meio de gotículas respiratórias ou pequenas partículas, ejetadas da boca ou nariz de pessoas infectadas e, em seguida, inaladas por outras pessoas.

Mas essa não é a única maneira pela qual o vírus circula. As mesmas gotículas e partículas infecciosas podem pousar nas superfícies e ser transferidas pelo toque – o que significa que a infecção pode ocorrer se você tocar em algo com partículas de vírus e, em seguida, tocar sua boca, nariz ou olhos, diz o CDC .

Embora este conselho geral seja repetido por autoridades de saúde em todo o mundo, ainda há muito que não sabemos sobre como o coronavírus pode entrar no corpo através dos olhos , embora os cientistas sugiram que seja “biologicamente plausível” .

No entanto, novas evidências sugerem que pelo menos parte do olho pode ser resistente ao SARS-CoV-2 – mesmo quando é suscetível a outros tipos de vírus .

Em um novo estudo , pesquisadores da Washington University em St. Louis descobriram que a córnea – a cúpula transparente na parte frontal do olho, que cobre a íris e a pupila – parecia ser resistente à infecção por coronavírus em experimentos, embora eles estejam ansiosos para enfatizar os resultados são apenas preliminares.

“Nossas descobertas não provam que todas as córneas são resistentes”, disse o microbiologista molecular Jonathan J. Miner, o primeiro autor do estudo.

“Mas cada córnea de doador que testamos era resistente ao novo coronavírus. Ainda é possível que um subconjunto de pessoas possa ter córneas que suportam o crescimento do vírus, mas nenhuma das córneas que estudamos suportou o crescimento de SARS-CoV-2.”

Em experimentos com tecido da córnea de 25 doadores humanos e também córneas de camundongos, os pesquisadores expuseram o tecido ocular a três vírus separados: SARS-CoV-2, vírus Zika e vírus herpes simplex 1 (HSV-1, que produz herpes labial).

Nos explantes de córnea humana testados (que também continham algum tecido da conjuntiva , a membrana que cobre o resto da parte frontal do olho), o experimento mostrou que o herpes e o vírus Zika foram capazes de se replicar no tecido – mas os testes não mostraram sinais de Replicação do SARS-CoV-2.

“Sabe-se que a córnea e a conjuntiva têm receptores para o novo coronavírus, mas em nossos estudos descobrimos que o vírus não se replica na córnea”, diz o autor sênior e oftalmologista Rajendra S. Apte.

“Nossos dados sugerem que o novo coronavírus não parece ser capaz de penetrar na córnea.”

Quanto a como a córnea e a conjuntiva humana podem ser capazes de resistir ao SARS-CoV-2, a equipe não tem certeza. Um potencial inibidor molecular de vírus no olho – chamado interferon lambda – foi capaz de limitar o crescimento do vírus na córnea humana para o HSV-1 e o vírus Zika, mas o bloqueio da proteína não pareceu aumentar a capacidade de replicação do SARS-CoV-2 .

Sem mais informações, o melhor palpite dos pesquisadores por agora é que a resistência da córnea humana ao coronavírus é “provavelmente regulada por uma via antiviral distinta” . Ainda não sabemos qual é esse caminho, e a equipe diz que mais estudos são necessários para confirmar essas descobertas.

Em outras palavras, os profissionais de saúde ainda não deveriam descartar seus óculos de proteção e, até que saibamos o contrário, ninguém deve presumir que o coronavírus não pode entrar no corpo através dos olhos, apesar da aparente resistência da córnea.

“É importante respeitar a capacidade desse vírus e tomar as devidas precauções”, diz Miner .

“Podemos aprender que coberturas para os olhos não são necessárias para proteger contra infecções na comunidade em geral, mas nossos estudos são apenas o começo.”

Os resultados estão relatados em Cell Reports

Informações adicionais de ScienceAlert

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.