Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv desenvolveram uma nova nano-vacina para o melanoma, o tipo mais agressivo de câncer de pele. Sua abordagem inovadora até agora provou ser eficaz na prevenção do desenvolvimento de melanoma em modelos de ratos e no tratamento de tumores primários e metástases que resultam do melanoma.

O foco da pesquisa está em uma nanopartícula que serve de base para a nova vacina. O estudo foi liderado pelo Prof. Ronit Satchi-Fainaro, presidente do Departamento de Fisiologia e Farmacologia e chefe do Laboratório de Pesquisa do Câncer e Nanomedicina na Faculdade de Medicina Sackler da TAU, e Profa. Helena Florindo da Universidade de Lisboa durante um período sabático. no laboratório de Satchi-Fainaro no TAU; foi conduzido pela Dra. Anna Scomparin do laboratório TAU da Prof. Satchi-Fainaro e pelo seu colega de pós-doutorado Dr. João Conniot. Os resultados foram publicados em 5 de agosto na revista Nature Nanotechnology.

O melanoma se desenvolve nas células da pele que produzem melanina ou pigmento da pele. “A guerra contra o câncer em geral e o melanoma em particular avançou ao longo dos anos através de várias modalidades de tratamento, como quimioterapia, radioterapia e imunoterapia; mas a abordagem da vacina, que se mostrou tão eficaz contra várias doenças virais, ainda não se materializou contra o câncer “, diz a Prof. Satchi-Fainaro. “Em nosso estudo, mostramos pela primeira vez que é possível produzir uma nano-vacina eficaz contra o melanoma e sensibilizar o sistema imunológico para imunoterapias”.

Os pesquisadores aproveitaram partículas minúsculas, com cerca de 170 nanômetros de tamanho, feitas de um polímero biodegradável. Dentro de cada partícula, eles “empacotaram” dois peptídeos – cadeias curtas de aminoácidos, que são expressos em células de melanoma. Eles então injetaram as nanopartículas (ou “nano-vacinas”) em um modelo de camundongo portador de melanoma.

“As nanopartículas agiam como vacinas conhecidas para doenças transmitidas por vírus”, explica Satchi-Fainaro. “Eles estimularam o sistema imunológico dos camundongos e as células do sistema imunológico aprenderam a identificar e atacar células contendo os dois peptídeos – ou seja, as células do melanoma. Isso significa que, a partir de agora, o sistema imunológico dos camundongos imunizados atacará”. células de melanoma se e quando aparecerem no corpo “.

Os pesquisadores então examinaram a eficácia da vacina sob três condições diferentes.

Primeiro, a vacina provou ter efeitos profiláticos. A vacina foi injetada em ratinhos saudáveis ​​e seguiu-se uma injeção de células de melanoma. “O resultado foi que os ratos não ficaram doentes, o que significa que a vacina preveniu a doença”, diz a Prof. Satchi-Fainaro.

Em segundo lugar, a nanopartícula foi usada para tratar um tumor primário: Uma combinação da vacina inovadora e tratamentos de imunoterapia foi testada em camundongos modelo de melanoma. O tratamento sinérgico atrasou significativamente a progressão da doença e prolongou grandemente a vida de todos os ratos tratados.

Finalmente, os pesquisadores validaram sua abordagem em tecidos retirados de pacientes com metástases cerebrais melanoma. Isto sugeriu que a nano-vacina pode ser usada também para tratar metástases cerebrais. Modelos de camundongos com metástases cerebrais de melanoma em estágio tardio já haviam sido estabelecidos após a excisão da lesão primária de melanoma, mimetizando o cenário clínico. A pesquisa em cirurgia guiada por imagem de melanoma primário usando sondas inteligentes foi publicada no ano passado pelo laboratório da Prof. Satchi-Fainaro.

“Nossa pesquisa abre as portas para uma abordagem completamente nova – a abordagem da vacina – para o tratamento eficaz do melanoma, mesmo nos estágios mais avançados da doença”, conclui a Prof. Satchi-Fainaro. “Acreditamos que nossa plataforma também pode ser adequada para outros tipos de câncer e que nosso trabalho é uma base sólida para o desenvolvimento de outras nano-vacinas contra o câncer”.


Nature Nanotechnology: Immunization with mannosylated nanovaccines and inhibition of the immune-suppressing microenvironment sensitizes melanoma to immune checkpoint modulatorsScience Daily: Injection of nanoparticle has proven effective in mouse models, researchers say

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.