Cientistas anexaram temporariamente o rim de um porco a um corpo humano e o observaram começar a funcionar, um pequeno passo na busca de décadas para um dia usar órgãos de animais para transplantes que salvam vidas.

Os porcos têm sido o foco de pesquisa mais recente para lidar com a escassez de órgãos, mas entre os obstáculos: Um açúcar nas células de suínos, estranho ao corpo humano, causa rejeição imediata do órgão. O rim para esse experimento veio de um animal com edição genética, projetado para eliminar esse açúcar e evitar um ataque ao sistema imunológico.

Os cirurgiões anexaram o rim do porco a um par de grandes vasos sanguíneos fora do corpo de um receptor falecido para que pudessem observá-lo por dois dias. O rim fez o que deveria fazer – filtrar resíduos e produzir urina – e não desencadeou a rejeição.

“Ele tinha uma função absolutamente normal”, disse o Dr. Robert Montgomery, que liderou a equipe cirúrgica no mês passado na NYU Langone Health. “Não houve essa rejeição imediata com a qual nos preocupamos.”

Esta pesquisa é “um passo significativo”, disse o Dr. Andrew Adams, da Escola de Medicina da Universidade de Minnesota, que não fez parte do trabalho. Isso tranquilizará os pacientes, pesquisadores e reguladores “que estamos indo na direção certa”.

O sonho dos transplantes de animal para humano – ou xenotransplante – remonta ao século 17, com tentativas frustradas de usar sangue animal para transfusões. No século 20, os cirurgiões tentavam transplantes de órgãos de babuínos para humanos, principalmente Baby Fae, um bebê moribundo, que viveu 21 dias com um coração de babuíno.

Sem nenhum sucesso duradouro e muito alvoroço público, os cientistas passaram de primatas a porcos, mexendo em seus genes para preencher a lacuna entre as espécies.

Os porcos têm vantagens sobre os macacos e símios. Eles são produzidos para alimentação, portanto, usá-los para órgãos levanta menos preocupações éticas. Os porcos têm ninhadas grandes, curtos períodos de gestação e órgãos comparáveis ​​aos humanos.

As válvulas cardíacas de porco também têm sido usadas com sucesso por décadas em humanos. A heparina, que dilui o sangue, é derivada do intestino do porco. Enxertos de pele de porco são usados ​​em queimaduras e cirurgiões chineses usaram córneas de porco para restaurar a visão.

No caso da NYU, os pesquisadores mantiveram o corpo de uma mulher falecida em um ventilador depois que sua família concordou com o experimento. A mulher desejava doar seus órgãos, mas eles não eram adequados para a doação tradicional.

A família sentiu que “havia a possibilidade de que algo de bom pudesse advir desse presente”, disse Montgomery.

O próprio Montgomery recebeu um transplante há três anos, um coração humano de um doador com hepatite C, porque ele estava disposto a tirar qualquer órgão. “Eu era uma daquelas pessoas deitada em uma UTI esperando e sem saber se um órgão iria sair a tempo”, disse ele.

Várias empresas de biotecnologia estão correndo para desenvolver órgãos de suínos adequados para transplante para ajudar a aliviar a escassez de órgãos humanos. Mais de 90.000 pessoas nos EUA estão na fila para um transplante de rim. Todos os dias, 12 morrem enquanto esperam.

O avanço é uma vitória para a Revivicor, uma subsidiária da United Therapeutics, a empresa que projetou o porco e seus primos, um rebanho de 100 criados em condições rigidamente controladas em uma instalação em Iowa.

Os porcos não têm um gene que produz alfa-gal, o açúcar que provoca um ataque imediato do sistema imunológico humano.

Em dezembro, a Food and Drug Administration aprovou a alteração genética nos porcos Revivicor como segura para consumo humano de alimentos e medicamentos.

Mas o FDA disse que os desenvolvedores precisariam enviar mais papelada antes que os órgãos de suínos pudessem ser transplantados em humanos vivos.

“Este é um passo importante para cumprir a promessa do xenotransplante, que salvará milhares de vidas a cada ano em um futuro não muito distante”, disse a CEO da United Therapeutics, Martine Rothblatt, em um comunicado.

Especialistas dizem que testes em primatas não humanos e o experimento do mês passado com um corpo humano abrem caminho para o primeiro transplante experimental de rim ou coração de porco em pessoas vivas nos próximos anos.

Criar porcos para serem doadores de órgãos parece errado para algumas pessoas, mas pode se tornar mais aceitável se as preocupações com o bem-estar animal puderem ser resolvidas, disse Karen Maschke, uma pesquisadora do Hastings Center, que ajudará a desenvolver recomendações éticas e políticas para o primeiro ensaios clínicos sob uma bolsa do National Institutes of Health.

“A outra questão será: devemos fazer isso só porque podemos?” Maschke disse.

Informações G1

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.