Fonte: ULC

Comer chocolate amargo pode afetar positivamente o humor e aliviar os sintomas depressivos, segundo um novo estudo conduzido pela UCL (University College London) que avalia se os diferentes tipos de chocolate estão associados aos transtornos do humor.

O estudo, publicado em Depression and Anxiety é o primeiro a examinar a associação com a depressão de acordo com o tipo de chocolate consumido.

Pesquisadores da UCL  trabalharam em colaboração com cientistas da Universidade de Calgary e Alberta Health Services Canada e avaliaram dados de 13.626 adultos. O consumo de chocolate dos participantes foi avaliado contra suas pontuações no Questionário de Saúde do Paciente, que avalia os sintomas depressivos.

No estudo transversal, uma série de outros fatores, incluindo altura, peso, estado civil, etnia, escolaridade, renda familiar, atividade física,tabagismo e problemas crônicos de saúde também foram levados em conta para garantir que o estudo medisse apenas o efeito do chocolate sobre os sintomas depressivos.

Após o ajuste para esses fatores, verificou-se que os indivíduos que relataram comer qualquer chocolate amargo em dois períodos de 24 horas tinham 70 por cento menor probabilidade de relatar sintomas depressivos clinicamente relevantes do que aqueles que relataram não comer chocolate em tudo.

Os 25% dos consumidores de chocolate que comiam mais chocolate (de qualquer tipo, não apenas escuro) também tinham menos probabilidade de relatar sintomas depressivos do que aqueles que não comiam chocolate. No entanto, os pesquisadores não encontraram nenhuma ligação significativa entre qualquer consumo de chocolate não-escuro e sintomas depressivos clinicamente relevantes.

A depressão afeta mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, e é a principal causa global de incapacidade.

A autora principal, Sarah Jackson (Instituto de Epidemiologia e Cuidados de Saúde da UCL), disse: “Este estudo fornece algumas evidências de que o consumo de chocolate, particularmente chocolate amargo, pode estar associado a uma redução na probabilidade de sintomas depressivos clinicamente relevantes.

“No entanto, mais pesquisas são necessárias para esclarecer a direção da causalidade – pode ser que a depressão faça com que as pessoas percam o interesse em comer chocolate, ou pode haver outros fatores que tornam as pessoas menos propensas a comer chocolate amargo e ficarem deprimidas.

“Se uma relação causal que demonstra um efeito protetor do consumo de chocolate sobre os sintomas depressivos for estabelecida, o mecanismo biológico precisa ser entendido para determinar o tipo e a quantidade de consumo de chocolate para uma melhor prevenção e tratamento da depressão.”

O chocolate é amplamente relatado como tendo propriedades que melhoram o humor e vários mecanismos para uma relação entre chocolate e humor têm sido propostos.

Principalmente, o chocolate contém uma série de ingredientes psicoativos que produzem uma sensação de euforia semelhante à dos canabinóides, encontrada na cannabis. Também contém feniletilamina, um neuromodulador que se acredita ser importante para regular o humor das pessoas.

Evidências experimentais também sugerem que as melhorias de humor só acontecem se o chocolate é saboroso e agradável de comer, o que sugere que a experiência de apreciar o chocolate é um fator importante, não apenas os ingredientes presentes.

Enquanto o acima é verdade para todos os tipos de chocolate, o chocolate escuro tem uma maior concentração de flavonóides, substâncias químicas antioxidantes que têm demonstrado melhorar os perfis inflamatórios, que têm demonstrado um papel no aparecimento da depressão.


Fontes: UCL

Pesquisa original:
Is there a relationship between chocolate consumption and symptoms of depression? A cross‐sectional survey of 13,626 US adults”. Sarah E. Jackson, Lee Smith, Joseph Firth, Igor Grabovac, Pinar Soysal, Ai Koyanagi, Liang Hu, Brendon Stubbs, Jacopo Demurtas, Nicola Veronese, Xiangzhu Zhu, Lin Yang.
Depression and Anxiety. doi:10.1002/da.22950

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.