Normalmente, leva anos até que um novo medicamento possa ser aprovado para testes em humanos. No entanto, já existem milhões de americanos tomando Prozac.

Conseguir um novo medicamento aprovado pelo FDA pode levar mais de uma década e custar centenas de milhões, se não bilhões, de dólares. Grande parte desse tempo e custo vai para o processo meticuloso de mostrar que o medicamento é seguro.

Alguns cientistas esperam agilizar esse processo descobrindo atividade terapêutica desconhecida em medicamentos que já são aprovados pela FDA. A “reutilização” de medicamentos dessa forma pode reduzir o custo e o tempo para que novos tratamentos cheguem ao mercado, pois não é necessário demonstrar a segurança com rigor uma segunda vez. O exemplo mais conhecido de reaproveitamento de drogas é o sildenafil (Viagra), que foi originalmente usado para tratar pressão alta e angina, até que se mostrou ter efeitos colaterais altamente comercializáveis.

Reaproveitando o Prozac

Um novo estudo da Faculdade de Medicina da Universidade da Virgínia sugere que a fluoxetina (Prozac) pode ser reaproveitada para prevenir a degeneração macular relacionada à idade (DMRI), que é a principal causa de cegueira irreversível entre pessoas com mais de 50 anos e afeta cerca de 200 milhões de pessoas no mundo todo.

Aqueles que sofrem de AMD experimentam perda de visão lenta devido à morte das células da retina. Essa morte é impulsionada em parte pelo acúmulo de transcritos de RNA de elementos Alu , segmentos de DNA que já foram considerados “lixo”, mas demonstraram contribuir para funções biológicas e doenças. À medida que as moléculas de RNA codificadas por Alu se acumulam em uma célula, elas disparam um “alarme de perigo”. Isso sinaliza para a célula que ela não está saudável e inicia uma cascata de eventos que levam à morte da célula. Apesar de dezenas de ensaios clínicos, nenhum tratamento ainda se mostrou eficaz em interromper esse processo.

Quando a equipe de pesquisa começou sua busca por um medicamento para reaproveitamento, eles não examinaram todos os medicamentos aprovados pela FDA (que somam cerca de 1.300). Em vez disso, eles procuraram medicamentos aprovados que fossem estruturalmente semelhantes a uma pequena molécula específica, CY-09, que impede que o alarme de perigo soe. Eles descobriram que CY-09 e fluoxetina compartilham uma estrutura molecular: um ramo (trifluorometil)fenil.

Da forma à função

Não basta mostrar que a fluoxetina compartilha uma estrutura com uma molécula que bloqueia o sinal de perigo; os pesquisadores também precisavam ilustrar que o tratamento com fluoxetina pode prevenir a morte celular nas condições que levam à DMRI – isto é, quando os transcritos de RNA codificados por Alu se acumulam nas células da retina.

O grupo injetou essas moléculas de RNA diretamente nos olhos de camundongos nos grupos de controle e tratamento. Como esperado, isso fez com que as células da retina morressem nos camundongos de controle. No entanto, as células da retina de camundongos que foram tratados com fluoxetina permaneceram saudáveis.

Prozac parece prevenir a cegueira em humanos

Em seguida, os pesquisadores procuraram determinar se o uso de fluoxetina impediria o desenvolvimento de AMD em humanos. Normalmente, leva anos até que um novo medicamento possa ser aprovado para testes em humanos. No entanto, já existem milhões de americanos tomando fluoxetina.

A equipe de pesquisadores estudou dois bancos de dados de seguros de saúde contendo dados de mais de 100 milhões de americanos. Eles descobriram que os pacientes que estavam tomando fluoxetina eram 15% menos propensos a desenvolver DMRI do que os pacientes que não estavam. Essa descoberta é importante para o pipeline de desenvolvimento de medicamentos, pois reforça ainda mais a confiança em um lançamento de mercado bem-sucedido.

Dado que a fluoxetina já demonstrou ser segura em humanos, os pesquisadores esperam que essas descobertas permitam que eles comecem rapidamente a realizar ensaios clínicos randomizados de fluoxetina para o tratamento da DMRI.

Free Think

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.