O medo é uma reação importante que nos avisa e nos protege do perigo. Mas quando as respostas ao medo estão fora de controle, isso pode levar a medos persistentes e transtornos de ansiedade. Na Europa, cerca de 15% da população é afetada por transtornos de ansiedade. As terapias existentes permanecem amplamente inespecíficas ou geralmente não são eficazes, porque falta o entendimento neurobiológico detalhado desses distúrbios.

O que se sabia até agora é que células nervosas distintas interagem para regular as respostas de medo, promovendo-as ou suprimindo-as. Diferentes circuitos de células nervosas estão envolvidos neste processo. Uma espécie de “cabo de guerra” ocorre, com um circuito cerebral “ganhando” e se sobrepondo ao outro, dependendo do contexto. Se esse sistema for perturbado, por exemplo, se as reações de medo não forem mais suprimidas, isso pode levar a transtornos de ansiedade.

Estudos recentes mostraram que certos grupos de neurônios na amígdala são cruciais para a regulação das respostas de medo. A amígdala é uma pequena estrutura cerebral em forma de amêndoa no centro do cérebro que recebe informações sobre estímulos de medo e as transmite a outras regiões do cérebro para gerar respostas de medo. Isso faz com que o corpo libere hormônios do estresse, altere a frequência cardíaca ou desencadeie reações de luta, fuga ou congelamento.

Agora, um grupo liderado pelos professores Stephane Ciocchi da Universidade de Bern e Andreas Luthi do Instituto Friedrich Miescher em Basel descobriu que a amígdala desempenha um papel muito mais ativo nesses processos do que se pensava anteriormente: não é apenas a amígdala central “ hub ”para gerar respostas de medo, mas contém microcircuitos neuronais que regulam a supressão de respostas de medo.

Em modelos animais, foi demonstrado que a inibição desses microcircuitos leva a um comportamento de medo duradouro. No entanto, quando eles são ativados, o comportamento retorna ao normal, apesar das respostas de medo anteriores. Isso mostra que os neurônios da amígdala central são altamente adaptativos e essenciais para suprimir o medo.

Esses resultados foram publicados na revista Nature Communications .

A supressão “perturbada” leva a um medo duradouro

Os pesquisadores liderados por Stephane Ciocchi e Andreas Luthi estudaram a atividade dos neurônios da amígdala central em ratos durante a supressão das respostas de medo. Eles foram capazes de identificar diferentes tipos de células que influenciam o comportamento dos animais.

Para o estudo, os pesquisadores usaram vários métodos, incluindo uma técnica chamada optogenética com a qual eles poderiam desligar precisamente – com pulsos de luz – a atividade de uma população neuronal identificada dentro da amígdala central que produz uma enzima específica. Isso prejudicou a supressão das respostas de medo, após o que os animais se tornaram excessivamente medrosos.

“Ficamos surpresos com a intensidade com que nossa intervenção direcionada em tipos específicos de células da amígdala central afetou as respostas de medo”, disse Ciocchi, professor assistente do Instituto de Fisiologia da Universidade de Berna. “O silenciamento optogenético desses neurônios específicos aboliu completamente a supressão do medo e provocou um estado de medo patológico.”

Importante para o desenvolvimento de terapias mais eficazes

Em humanos, a disfunção desse sistema, incluindo plasticidade deficiente nas células nervosas da amígdala central descrita aqui, poderia contribuir para a supressão prejudicada de memórias de medo relatadas em pacientes com ansiedade e transtornos relacionados ao trauma. Uma melhor compreensão desses processos ajudará a desenvolver terapias mais específicas para esses distúrbios.

“Porém, mais estudos são necessários para investigar se as descobertas obtidas em modelos animais simples podem ser extrapoladas para os transtornos de ansiedade humanos”, acrescenta Ciocchi.

Este estudo foi realizado em parceria com a Universidade de Berna, o Instituto Friedrich Miescher e colaboradores internacionais. Foi financiado pela Universidade de Berna, a Swiss National Science Foundation e o European Research Council (ERC).

A diversidade neuronal é uma marca registrada das redes corticais. No hipocampo, tipos de células neuronais distintos interagem entre si por meio de contatos sinápticos seletivos e padrões de atividade neural.

Investigamos como diferentes formas de comportamentos emocionais e cognitivos emergem nos intrincados circuitos neuronais do hipocampo CA1 ventral, uma região do cérebro instrumental para memórias emocionais específicas de contexto, ansiedade e ações direcionadas a um objetivo.

Nossa hipótese é que programas comportamentais distintos são implementados pelo recrutamento seletivo de circuitos neurais de micro e grande escala do hipocampo CA1 ventral. Para identificar esses motivos de circuito, estamos combinando gravações de unidade única de interneurônios GABAérgicos CA1 ventrais e neurônios de projeção, estratégias optogenéticas seletivas, rastreamento viral específico do tipo de célula e paradigmas comportamentais em roedores.

Os resultados de nossas abordagens experimentais determinarão as computações neurais fundamentais subjacentes ao aprendizado e à memória nas regiões corticais superiores do cérebro.

Fonte: Universidade de Berna

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.