As vacinas têm se mostrado eficazes na prevenção de doenças causadas por vírus e bactérias. Desde que a primeira vacina foi desenvolvida há mais de 200 anos, eles preveniram algumas das doenças mais mortais do século XX e ajudaram a salvar centenas de milhões de vidas em todo o mundo.

No caso de doenças causadas por vírus (por exemplo, sarampo, poliomielite e varíola) e bactérias (por exemplo, difteria, tétano e tuberculose), as vacinas atuam expondo as pessoas a uma versão enfraquecida ou inativada da ameaça. Isso permite que seu sistema imunológico identifique essas ameaças de acordo com seus marcadores específicos – conhecidos como “antígenos” – e monte uma resposta contra eles. Essas vacinas geralmente funcionam melhor no contexto preventivo, quando um indivíduo recebe a vacina antes de ser infectado pela bactéria ou vírus.

No caso do câncer, entretanto, a situação é mais complicada por várias razões e isso tornou mais difícil desenvolver vacinas para prevenir ou tratar o câncer.

Em particular, ao contrário de bactérias e vírus, que parecem estranhos ao nosso sistema imunológico, as células cancerosas se assemelham mais às nossas células normais e saudáveis. Além disso, o tumor de cada indivíduo é, em certo sentido, único e tem seus próprios antígenos distintivos. Como resultado, abordagens mais sofisticadas são necessárias para desenvolver vacinas eficazes contra o câncer.

Vacinas preventivas contra o câncer

As infecções virais são responsáveis ​​pelo desenvolvimento de vários tipos de câncer e as vacinas preventivas desempenham um papel importante na redução do risco. Por exemplo, câncer cervical e câncer de cabeça e pescoço podem ser causados ​​pelo vírus do papiloma humano, ou HPV, enquanto o câncer de fígado pode ser causado pelo vírus da hepatite B ou HBV.

Várias vacinas foram desenvolvidas para prevenir a infecção por HBV e HPV e, como resultado, proteger contra a formação de cânceres relacionados ao HBV e HPV. Quatro dessas vacinas preventivas contra o câncer foram aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos.

Vacinas terapêuticas contra o câncer

O tumor de cada indivíduo é, em certo sentido, único e tem seus próprios antígenos distintivos. Como resultado, abordagens mais sofisticadas de vacinas contra o câncer são necessárias.

Felizmente, os médicos agora podem identificar alvos nos tumores dos pacientes que podem ajudar a distinguir as células cancerosas de suas células normais. Às vezes, esses alvos são proteínas normais produzidas em níveis anormalmente elevados pelas células cancerosas, como a fosfatase ácida prostática (PAP), que costuma ser superexpressada pelas células cancerosas da próstata.

Aproveitando essa percepção, a vacina sipuleucel-T foi desenvolvida e recebeu a aprovação do FDA em 2010 para o tratamento de pacientes com câncer de próstata avançado. Além disso, proteínas derivadas de vírus expressas por células cancerosas infectadas por vírus oferecem outra fonte promissora de marcadores que podem ser direcionados por meio de vacinas.

Outra exceção é o Bacillus Calmette-Guérin, ou BCG, uma vacina contra a tuberculose que atua como um estimulante imunológico geral. Em 1990, o BCG se tornou a primeira imunoterapia de qualquer tipo a ser aprovada pelo FDA e ainda é usada para o tratamento do câncer de bexiga em estágio inicial.

Vacinas Neoantígenos Personalizadas

Em contraste com proteínas normais, mas superexpressas, como PAP, os tumores também exibem alvos únicos que surgem como resultado de mutações. Estes são chamados de neoantígenos (“novos antígenos”) e são expressos exclusivamente por células tumorais e não por qualquer uma das células saudáveis ​​de um paciente.

Com as vacinas de neoantígenos, portanto, é concebível que as respostas imunológicas possam ser dirigidas precisamente contra as células tumorais dos pacientes, enquanto poupam suas células saudáveis ​​do ataque imunológico, possivelmente evitando efeitos colaterais.

Além das vacinas mencionadas anteriormente, vários tipos de vacinas neoantígenos estão atualmente sendo avaliados, tanto isoladamente quanto em combinação com outros tratamentos, em uma variedade de tipos de câncer em ensaios clínicos.

Outra vacina com resposta promissora

Uma vacina personalizada contra o câncer genômico provou ser viável para a fabricação e foi bem tolerada em um estudo de fase 1, de acordo com os pesquisadores.

A vacina, PGV-001, foi administrada a 13 pacientes com tumores sólidos ou mieloma múltiplo que apresentavam alto risco de recorrência após cirurgia ou transplante autólogo de células-tronco.

No último acompanhamento, quatro pacientes ainda estavam vivos sem evidência de doença e não haviam recebido terapia subsequente, quatro estavam vivos e recebendo terapia, três morreram e dois foram perdidos no acompanhamento.

Thomas Marron, MD, do Mount Sinai, em Nova York, apresentou esses resultados no Encontro Anual da American Association for Cancer Research recentemente.

“Embora a imunoterapia contra o câncer tenha revolucionado o tratamento do câncer, sabemos que a maioria dos pacientes não consegue obter uma resposta clínica significativa”, disse Marron durante sua apresentação.

“Uma razão para isso pode ser devido à falta de resposta de células T pré-existentes necessárias para que o bloqueio de PD-1 tenha um efeito significativo. Para resolver isso, vacinas personalizadas de neoantígenos podem ajudar a preparar uma resposta imunológica melhorada contra células tumorais.”

Com isso em mente, Marron e colegas desenvolveram a PGV-001, uma vacina que consiste em peptídeos neoantígenos sintéticos específicos para pacientes, administrados a pacientes em regime de adjuvante.

Os pesquisadores sintetizaram a PGV-001 para 15 pacientes com doenças malignas avançadas. Os pacientes foram inicialmente submetidos a sequenciamento de DNA de tumor e linha germinativa, bem como tipagem HLA. O sequenciamento de RNA em massa também foi realizado nos tumores dos pacientes.

“A maioria das vacinas experimentais personalizadas contra o câncer são administradas em ambiente metastático, mas pesquisas anteriores indicam que as imunoterapias tendem a ser mais eficazes em pacientes com menos disseminação do câncer” , explicou a pesquisadora principal Nina Bhardwaj, do Mount Sinai.

Fontes: WebMD / MedScape / Cancer Research Institute

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.