Os pesquisadores dizem que, além dos esfregaços nasais e na garganta, os esfregaços retais e as amostras de fezes podem ser essenciais para o teste de coronavírus.

Fonte: Neuro science news / Fonte da imagem: NAID RML

Os pesquisadores mostraram que o novo coronavírus pode infectar e se multiplicar nas células do intestino humano, uma descoberta que pode explicar por que muitos pacientes com COVID-19 experimentam sintomas gastrointestinais, como diarréia. Os cientistas, incluindo os do Instituto Hubrecht, na Holanda, propagaram com sucesso o novo coronavírus, SARS-CoV-2, em modelos de cultura de células do intestino humano e monitoraram a resposta das células ao vírus.

Eles disseram que as descobertas, publicadas na revista Science, poderiam explicar a observação de que quase um terço dos pacientes com COVID-19 experimentam sintomas como diarréia e o fato de que o vírus geralmente pode ser detectado em amostras de fezes.

Pacientes com COVID-19 apresentam uma variedade de sintomas associados a órgãos respiratórios, como tosse, espirros, falta de ar e febre, e a doença é transmitida por pequenas gotículas que se espalham principalmente por tosse e espirros.

Um terço dos pacientes, no entanto, também apresenta sintomas gastrointestinais, como náusea e diarréia, disseram os pesquisadores.

Muito tempo após a resolução dos sintomas respiratórios, o vírus pode ser detectado nas fezes humanas, acrescentaram, sugerindo que o SARS-CoV-2 também pode se espalhar por meio da chamada “transmissão fecal-oral”.

Embora os órgãos respiratório e gastrointestinal pareçam muito diferentes, o estudo observou algumas semelhanças importantes.

Uma observação, segundo ele, é a presença do receptor ACE2 através do qual o vírus SARS-CoV-2 pode entrar nas células.

Os pesquisadores disseram que o interior do intestino está carregado com esses receptores.

Até agora, eles disseram que não se sabia se as células intestinais poderiam realmente ser infectadas e produzir partículas virais.

Assim, os cientistas tentaram cultivar os vírus nos organoides intestinais humanos, que são pequenas versões do intestino humano que podem ser cultivadas em laboratório.

“Esses organoides contêm as células do revestimento intestinal humano, tornando-os um modelo atraente para investigar a infecção pelo SARS-CoV-2”, disse o co-autor do estudo Hans Clevers, noivo do Instituto Hubrecht.

Quando o vírus foi adicionado aos organoides, as células foram rapidamente infectadas, observou o estudo.

Segundo os cientistas, o vírus entrou em um subconjunto de células nos organoides intestinais e o número de células infectadas aumentou ao longo do tempo.

Usando microscopia eletrônica – uma maneira avançada de visualizar diferentes componentes da célula em grandes detalhes – os pesquisadores encontraram partículas de vírus dentro e fora das células dos organoides.

“Devido ao bloqueio, todos estudamos slides virtuais dos organoides infectados remotamente em casa”, disse Peter Peters, co-autor do estudo da Universidade de Maastricht, na Holanda.

Avaliando a resposta do organoide ao vírus, os pesquisadores descobriram que genes estimulados pelo mensageiro químico do sistema imunológico, interferons, eram ativados nessas células.

Eles disseram que esses genes são conhecidos por combater infecções virais.

Os pesquisadores acreditam que trabalhos futuros focados nesses genes com mais cuidado podem ajudar a entender como eles podem ser usados ​​para desenvolver novos tratamentos.

Quando os cientistas cultivaram os organoides em diferentes condições, resultando em células com níveis mais altos e mais baixos do receptor ACE2, eles descobriram que o vírus infectava as células com níveis alto e baixo do receptor ACE2.

O estudo, disseram os cientistas, pode levar a novas maneiras de bloquear a entrada do vírus em nossas células.

Eles também acreditam que os resultados podem fornecer um novo modelo de cultura de células para o estudo do COVID-19.

“As observações feitas neste estudo fornecem provas definitivas de que o SARS-CoV-2 pode se multiplicar nas células do trato gastrointestinal.

No entanto, ainda não sabemos se o SARS-CoV-2, presente no intestino de pacientes com COVID-19, desempenha um papel significativo na transmissão “, disse Bart Haagmans, outro co-autor do estudo.

“Nossas descobertas indicam que devemos examinar essa possibilidade mais de perto”, acrescentou Haagmans.

Segundo o estudo, atenção especial pode ser necessária para pacientes com sintomas gastrointestinais.

Os pesquisadores disseram que testes mais extensos, usando não apenas swabs de nariz e garganta, mas também swabs retais ou amostras de fezes, podem ser necessários.

Em outros estudos, os cientistas disseram que esperam entender as diferenças entre infecções no pulmão e no intestino comparando organoides pulmonares e intestinais infectados com SARS-CoV-2.

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.