Um novo estudo revelou que a epidemia sobre a qual se falou tanto nas últimas semanas reduziu as emissões poluentes na China, equivalente a 6% do total mundial.

Isso foi revelado por uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA) da Finlândia, segundo a qual as emissões chinesas de dióxido de carbono diminuíram em pelo menos 100 milhões de toneladas nas últimas duas semanas.

Como? De fato, o coronavírus paralisou a economia chinesa e os impactos sobre a demanda e as emissões de energia do país estão apenas começando a ser sentidos.

A rápida disseminação do vírus – que matou mais de 2.000 pessoas e infectou mais de 74.000 em todo o país – causou uma queda na demanda por carvão e petróleo, resultando em menores emissões, de acordo com o estudo publicado no site. A Carbon Brief, com sede na Grã-Bretanha, disse.

Coronavírus e emissões em números

A demanda chinesa de eletricidade e a produção industrial permanecem muito abaixo dos níveis usuais, conforme sugerido por vários indicadores, incluindo:

• Uso de carvão em usinas de energia, com pelo menos quatro anos de idade

• Taxas operacionais das refinarias de petróleo na província de Shandong no nível mais baixo desde 2015

• Produção de produtos siderúrgicos no nível mais baixo por cinco anos

• Os níveis de poluição atmosférica NO2 da China diminuíram 36% em comparação com o mesmo período do ano passado.

• Os vôos domésticos caíram até 70% em comparação com o mês passado.

Medidas para conter o coronavírus levaram a reduções de produção de 15% a 40% nos principais setores industriais. É provável que isso tenha eliminado um quarto ou mais das emissões de CO2 do país nas últimas duas semanas, período em que a atividade normalmente seria retomada após ao feriado do Ano Novo Chinês.

No mesmo período de 2019, a China liberou cerca de 400 milhões de toneladas de CO2 (MtCO2), o que significa que o vírus poderia ter reduzido as emissões globais de CO2 em 100Mt até o momento. A questão principal é se os impactos serão compensados ou mesmo revertidos pela resposta do governo à crise.

As análises iniciais da Agência Internacional de Energia (AIE) e da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) sugerem que as repercussões da epidemia podem impactar a demanda mundial de petróleo entre janeiro e setembro deste ano.

As emissões chinesas de dióxido de nitrogênio – um subproduto da combustão fóssil em veículos e usinas de energia – também diminuíram 36% na semana seguinte ao feriado do Ano Novo Lunar, em comparação com o mesmo período do ano anterior.

No entanto, essa é uma redução temporária e a resposta do governo chinês à crise pode reverter o curso, aumentando a produção industrial e, consequentemente, as emissões.

Li Shuo, consultor político do Greenpeace China, explicou que após o desaparecimento do coronavírus, é muito provável que as fábricas maximizem a produção para compensar as perdas durante o período de parada.

Fontes de referência: GreenMe, Carbon Brief, Science Alert

COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.