Especialistas em medicina microbiana alertam que, na esteira da crise do coronavírus , uma nova pandemia começou . Cristina Muñoz , codiretora do Plano Nacional contra a Resistência aos Antibióticos, revela que os medicamentos contra bactérias, nomeadamente os antibióticos, estão a deixar de fazer efeito.

Na verdade, ele destaca que algumas doenças bacterianas – pneumonia, tuberculose, gonorréia e salmonelose – já estão sem tratamentos eficazes , dada sua resistência aos medicamentos. Em grande parte, Muñoz atribui isso ao uso excessivo e inadequado dessas drogas durante a pandemia de Sars-CoV-2.

Uma ferida pode ser fatal

Um dos motivos pelos quais, em plena Semana Mundial de Conscientização sobre Antimicrobianos, o cientista nos convida a pensar como seria o mundo sem os antibióticos. Em resposta, o especialista ressalta que qualquer infecção pode ser letal . “Aconteceriam coisas que a gente nem pensava, como cair de uma criança, abrir o joelho, levá-la para o hospital e o médico falar que não tem o que fazer, que ele está muito arrependido”, disse ele em um entrevista com The Country .

Nesse sentido, ele confessa que seria como retroceder 100 anos nos avanços da medicina, já que também não haveria cesárea, transplante de órgãos, operação de menisco ou prótese de quadril. Algumas intervenções que fazem parte do pulso diário de qualquer hospital do mundo e às quais estão submetidos milhões.

10 milhões de mortes

Muñoz também alerta que tratamentos como a quimioterapia em pacientes com câncer seriam considerados práticas de alto risco, pois não conseguem lidar com as infecções microbianas que costumam ocorrer quando as defesas são reduzidas, causadas pelo próprio procedimento. Abordagem que também conta com o apoio do microbiologista Bruno González Zorn, que ousa falar da “pandemia silenciosa” das superbactérias.

“ Os 10 milhões de mortes podem não ocorrer mais em 2050, mas em 2040 ou 2030”, comenta. Além disso, González Zorn afirma que está se formando “uma tempestade perfeita” devido ao alto consumo de compostos como a azitromicina ou a doxicilina durante a fase inicial da pandemia. Algo sobre o que a OMS já alertava em fevereiro: “Não vamos permitir que a cobiçosa crise se transforme em uma catástrofe de resistência aos antimicrobianos”.

Informações El Pais Brasil / Créditos da imagem: Alex Raths

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.