Surgiu uma nova e assustadora expressão da infecção por COVID-19 . Inúmeros médicos em todo o mundo estão relatando um risco possivelmente maior de coágulos sanguíneos em pacientes com COVID-19.

De acordo com o Washinghton Post, três grandes centros médicos dos Estados Unidos preparam-se para publicar em breve novos dados sobre este fenómeno. Apesar de se terem verificado apenas “algumas dezenas de casos por local”, o estudo fornece novas informações sobre o que o vírus pode fazer ao corpo humano.

Um AVC pode ser causado por problemas cardíacos, artérias obstruídas devido ao colesterol ou abuso de substâncias, podendo ser tratados em menos de 24 horas. Mas as análises de pacientes que testam positivo à Covid-19 e que sofrem AVC sugerem o tipo mais fatal de derrame. A doença provoca vários problemas no sangue, que começa a produzir coágulos nas paredes dos vasos sanguíneos, que pode chegar ao coração e causar embolias pulmonares ou ataques cardíacos. Ou podem chegar ao cérebro e provocar um derrame.

Coágulos sanguíneos (o que os médicos chamam de trombose) são particularmente preocupantes devido às possíveis consequências. Coágulos sanguíneos nas veias podem viajar para os pulmões (que é chamado de embolia pulmonar), um problema potencialmente fatal. Os coágulos sanguíneos no sistema arterial são ainda mais alarmantes porque podem levar a ataques cardíacos, derrames e amputações.

O COVID-19 parece aumentar os coágulos sanguíneos nas artérias e nas veias. Embora todos os estudos sejam pequenos e observacionais neste momento, um estudo da Holanda mostrou que 31% dos indivíduos com COVID-19 na UTI desenvolveram coágulos sanguíneos, apesar das medidas usuais para evitar a coagulação. Outro pequeno estudo da China mostrou que 25% dos pacientes com COVID-19 desenvolveram coágulos sanguíneos nas veias. Estes são números surpreendentemente altos.

Os médicos estão particularmente preocupados com esse possível problema de coagulação do sangue por várias razões. Uma é que os tratamentos usuais (como medicamentos para afinar o sangue) não estão funcionando para alguns pacientes. Outro motivo é o relatório de pessoas positivas para COVID-19, a partir dos 30 anos, que sofreram grandes derrames que são mais comuns em uma população muito mais velha.

São necessárias mais informações para entender se essa é uma correlação verdadeira entre o COVID-19 e o distúrbio da coagulação sanguínea, qual é o mecanismo e, o mais importante, como preveni-lo e tratá-lo.

Por agora, estar ciente de que não há razão para suspeitar que COVID-19 poderia possivelmente colocar qualquer um de nós em risco de acidente vascular cerebral.

Portanto, esteja alerta para os sintomas do derrame – fraqueza repentina, dormência, dificuldade para falar, visão ou o aparecimento de uma forte dor de cabeça sem outra explicação – mesmo que você normalmente não precise se preocupar com o risco de derrame e mesmo sem outros sinais de Contágio do covid19.

Se você tiver sintomas que podem estar relacionados ao derrame, é extremamente importante procurar atendimento médico urgente. O tempo é crucial porque os melhores tratamentos para esses tipos de acidente vascular cerebral precisam ser realizados nas primeiras 3 horas de sintomas para serem mais eficazes. Como neurologistas do AVC gostam de dizer, “o tempo é cérebro”.

E se você suspeitar de um derrame em outra pessoa, aja RAPIDAMENTE:

Face: Peça à pessoa para sorrir. Um lado do rosto cai?

Braços: Peça à pessoa que levante os dois braços. Um braço deriva para baixo?

Fala: Peça à pessoa para repetir uma frase simples. O discurso é arrastado ou estranho?

Tempo: Se você encontrar algum desses sinais, ligue imediatamente para o SAMUOu o serviço de atendimento correspondente no seu país. 

Compreensivelmente, alguns relutam em ir ao hospital durante a pandemia do COVID-19, mas quando se trata de um derrame, as conseqüências do atraso do tratamento médico podem ser devastadoras.

Fontes: Washinghton Post / WebMD

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.