Uma mulher grávida com suspeita de COVID-19 foi levada às pressas de ambulância para o Hospital Universitário Skåne, em Malmo, Suécia, sofrendo de dor abdominal súbita e intensa. Os médicos notaram que o feto tinha uma freqüência cardíaca anormalmente baixa, o que pode ser um sinal de que o bebê não está recebendo oxigênio suficiente.

Os médicos realizaram uma cesariana de emergência e deram à luz o bebê em minutos. Os exames de sangue do bebê confirmaram que o oxigênio estava gravemente baixo e os esfregaços da garganta mostraram que a mãe e o bebê sofriam de COVID.

Usando esfregaços da garganta da mãe e do recém-nascido, o genoma do vírus foi sequenciado para confirmar a possibilidade de que o bebê tinha sido infectado com COVID ainda no útero.

A equipe de estudo no hospital descobriu que o genoma viral da mãe e do bebê era idêntico. Como o bebê havia sido isolado da mãe logo após a cesariana e não entrou em contato com outros membros da família quando esses testes foram feitos, os resultados confirmaram que o bebê estava realmente infectado antes de nascer.

No entanto, alguns dias depois, um novo sequenciamento genético mostrou que a população de vírus do bebê havia mudado e continha uma versão mutada do vírus junto com a cepa original do vírus da mãe.

Até onde sabemos, este é o primeiro caso de alteração genética do coronavírus no cenário único da transmissão materno-fetal antes do nascimento.

Embora seja comum que os vírus sofram mutação, essa mutação (chamada A107G) aconteceu apenas cinco dias após o nascimento do bebê.

As mudanças genéticas podem ter sido estimuladas pelo contato do bebê com o ambiente externo fora do útero da mãe. No entanto, foi surpreendente a rapidez com que essa única mutação ocorreu.

As descobertas mais importantes foram as mudanças que vimos na placenta. A placenta leva sangue e nutrientes para o feto e remove os resíduos e é crítica para o crescimento e o bem-estar do feto. Descobrimos que metade do tecido estava danificado.

Houve inflamação generalizada e os médicos encontraram a proteína do coronavírus tanto no lado materno quanto no feto da placenta. Também encontraram proteína de coronavírus em todas as áreas que foram danificadas pela inflamação.

A mãe teve uma recuperação rápida de sua infecção por COVID e teve alta quatro dias após o parto, mas o bebê precisava de cuidados neonatais por ter nascido prematuro (semana 34 de gravidez).

O bebê desenvolveu anticorpos contra o vírus e não apresentou sintomas graves após o parto. Portanto, foi o próprio sistema imunológico do bebê que neutralizou o vírus, pois não foi encontrado anticorpos no leite materno da mãe.

Raro, mas precisa de monitoramento

Esse estudo, que acaba de ser publicado no British Journal of Obstetrics and Gynecology , está entre apenas um punhado de artigos científicos que investigaram a transmissão do coronavírus pela placenta.

Estudos anteriores relataram rápida insuficiência placentária e ritmo cardíaco fetal anormal , semelhante a esse. Mas com milhares de mulheres grávidas infectadas em todo o mundo, a transmissão de mãe para bebê no útero parece ser uma complicação rara da COVID durante a gravidez.

Os cientistas acham que isso se deve à barreira placentária que protege o bebê no útero da maioria das infecções. Além disso, o receptor vital necessário para a entrada do coronavírus nas células, denominado receptor ACE-2, só existe em níveis baixos na placenta .

Em casos raros, o coronavírus pode danificar a placenta – levando à falta de oxigênio no feto – mesmo se a mãe tiver um caso leve de COVID no final da gravidez.

Essas descobertas sugerem que talvez devêssemos repensar como monitoramos mulheres grávidas com COVID, e elas deveriam ser consideradas um grupo de risco mais importante do que o fazemos hoje.

Artigo originalmente publicado em THE CONVERSATION 

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.