Os estados de estresse psicossocial agudo estimulam a secreção de uma proteína do tipo anticorpo que é decisiva na primeira defesa imunológica contra a infecção, mas somente após a puberdade. No entanto, crianças com histórico de maus-tratos apresentam resposta semelhante à dos adolescentes, o que sugere que há maturação precoce do sistema imunológico nesses casos.

Esta é uma das principais conclusões de um estudo internacional coordenado pela professora Lourdes Fañanás, da Faculdade de Biologia e do Instituto de Biomedicina da Universidade de Barcelona (IBUB), com a participação dos grupos do Centro Biomédico em Rede de Saúde Mental (CIBERSAM ).

Este estudo, publicado na revista Brain, Behavior, and Immunity , conta com a participação de pesquisadores dos grupos CIBERSAM do Hospital Clínic de Barcelona, ​​IDIBAPS, Hospital Universitário Gregorio Marañón (Madri), Hospital Universitário Puerta del Hierro (Majadahonda, Madrid ), e o Hospital Universitário Araba—Santiago Apostol (Vitoria, País Basco). Entre os colaboradores estão a Unidade de Crise do Adolescente Germanes Hospitalàries Sant Boi, o Hospital do Adolescente de Gavà (Fundação Oriente) e o Hospital do Adolescente de Galdakao.

A equipe analisou o comportamento da imunoglobulina A secretora (s-IgA) através da saliva – uma amostra biológica menos invasiva em comparação com os exames de sangue – no estresse psicossocial agudo em crianças e adolescentes, a fim de explorar a variabilidade potencial de acordo com o estágio de desenvolvimento e história de maus-tratos infantis.

O estudo envolveu 94 crianças e adolescentes de 7 a 17 anos como participantes (54 deles com diagnóstico psiquiátrico) de um estudo espanhol mais amplo (EPI-Young Stress Project). Para avaliar sua reatividade biológica ao estresse, eles forneceram cinco amostras de saliva durante um teste de estresse social Trier para crianças (TSST-C) – um protocolo padronizado para analisar a resposta biológica ao estresse agudo de maneira controlada e confiável – para a análise específica dos níveis de s-IgA e cortisol.

Como parte do estudo, “associamos a secreção de s-IgA de estresse psicológico agudo com o tempo após a puberdade, mas crianças com histórico de maus-tratos apresentaram resposta semelhante. Este é o primeiro estudo científico a explorar isso, e é essencial ter mais estudos para confirmar o valor da imunoglobulina A secretora como biomarcador de estresse agudo”, observa a professora Lourdes Fañanás, membro do Departamento de Biologia Evolutiva, Ecologia e Ciências Ambientais da UB e pesquisadora principal do grupo CIBERSAM.

A exposição ao estresse leva à ativação de vários processos biológicos que visam montar uma resposta eficiente a uma situação ameaçadora e, posteriormente, restaurar a homeostase quando o estressor termina.

As mudanças envolvidas na resposta ao estresse dependem do sistema nervoso simpático (SNS) e do hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA), e cada um envolve uma resposta adaptativa rápida, conhecida como resposta de luta ou fuga.

O SNS ativa o sistema imunológico – caracterizado pela ativação de processos inflamatórios – que podem ser alterados após longos períodos de estresse crônico (como maus-tratos).

Sintomas de um envelhecimento biológico acelerado

O estudo afirma que a medição de s-IgA pode ser um biomarcador viável para explorar a reatividade imune periférica ao estresse em populações jovens. Especificamente, os pesquisadores observaram que, embora crianças e adolescentes apresentassem níveis basais de s-IgA semelhantes, sua reatividade de s-IgA ao estresse parecia diferir, uma vez que os primeiros mostraram um aumento após a rápida recuperação do estressor, enquanto os segundos não mostraram Resposta IgA.

“No entanto, observamos que as crianças expostas a situações de maus-tratos apresentaram um padrão de resposta ao estresse semelhante ao dos adolescentes”, observa Laia Marques-Feixa (UB-IBUB-CIBERSAM), primeira autora do artigo.

Conforme observado por Águeda Castro, coautora do estudo, “este fenômeno pode estar alinhado com as teorias difundidas que defendem que os indivíduos expostos a uma ampla gama de exposições perniciosas – de natureza psicossocial e química – experimentam o que é conhecido como aceleração biológica envelhecimento.”

Fonte: Universidade de Barcelona / Neuroscience news

Pesquisa Original: “Secretory immunoglobulin A (s-IgA) reactivity to acute psychosocial stress in children and adolescents: The influence of pubertal development and history of maltreatment”

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.