O muco é um fluido perfeitamente normal que ajuda a manter nosso corpo funcionando sem problemas, mas nem todas as formas da substância viscosa são iguais. Pessoas com doenças respiratórias crônicas tendem a produzir formas mais espessas de muco e os cientistas descobriram uma das principais razões por que, aumentando as novas possibilidades de tratamento para condições como asma, fibrose cística e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

“Uma quantidade saudável de muco é muito importante para capturar e eliminar possíveis ameaças aos pulmões, como partículas de poeira, células mortas e bactérias, por isso não pretendemos remover completamente o muco”, explica o professor associado Ethan Goddard-Borger do Walter e Eliza Hall Institute e principal autor do novo estudo: “Estamos buscando desenvolver abordagens inovadoras para reduzir a viscosidade do muco para ajudar a limpar o excesso de muco dos pulmões de pacientes com doença respiratória crônica”.

Goddard-Borger liderou uma equipe de pesquisa na investigação da formação de muco especialmente espesso em pacientes com doenças respiratórias crônicas, com o trabalho centrado em longas cadeias de proteínas conhecidas como glicoproteínas da mucina. Estes, juntamente com a água, formam a base do muco, mas outras proteínas chamadas fatores trifólio também desempenham um papel na determinação da consistência do fluido.

“Há muito que se sabe que os fatores trifólio tornam o muco mais viscoso (mais espesso), e foi postulado que esse espessamento ocorre em doenças respiratórias”, diz Goddard-Borger. “No entanto, até agora não entendíamos completamente como as proteínas do fator trevo eram conseguiu isso. ”

O trabalho da equipe no laboratório descobriu os mecanismos pelos quais esses fatores trifólio aumentam os níveis de viscosidade no muco, estimulados por doenças respiratórias crônicas. Os pesquisadores conseguiram demonstrar que as proteínas aderem naturalmente às glicoproteínas da mucina por meio de locais de ligação em sua superfície, que os cruzam para tornar o líquido viscoso.

“No muco, os fatores do trevo coletam essencialmente grampos na mucina: quanto mais grampos, mais densa a malha e mais espessa o muco se torna”, diz Goddard-Borger.

A equipe afirma que esse achado é um avanço significativo em nossa compreensão do muco e de como ele se comporta em pacientes com doenças respiratórias crônicas. Também aumenta a perspectiva de novas tecnologias que possam quebrar ou impedir os vínculos entre os fatores do trevo e as glicoproteínas da mucina, que podem auxiliar no tratamento de doenças como asma, fibrose cística e DPOC.

“O próximo passo é trabalhar com colaboradores comerciais para progredir em nossa visão e desenvolver novos medicamentos mucolíticos que possam eliminar o muco das vias aéreas de maneira mais eficaz”, diz o professor Goddard-Borger. “Conseguir isso pode ter um impacto significativo na qualidade de vida e expectativa de vida de pessoas com problemas respiratórios debilitantes “.

A pesquisa foi publicada na revista Nature Communications

COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.