Delírio ou confusão mental pode ser um sinal de alerta precoce de COVID-19 em adultos mais velhos, de acordo com um novo estudo publicado na revista JAMA Network Open .

Mais de um quarto dos pacientes com mais de 65 anos chegou ao pronto-socorro com desorientação, e mais de um terço não apresentava sintomas típicos de COVID-19, como tosse ou febre.

“Uma das nossas principais mensagens, especialmente agora, é realmente tentar fazer a triagem de todos, especialmente os idosos”, disse Benjamin Helfand, um dos autores do estudo e doutorando na Escola de Medicina da Universidade de Massachusetts, ao STAT News .

Delírio – ou confusão, desorientação, desatenção e outras alterações cognitivas – pode ser um sinal comum de infecção em adultos mais velhos, que têm sistemas imunológicos que respondem de maneiras diferentes aos vírus e bactérias do que os adultos mais jovens.

Até o momento, neste ano, o delírio foi identificado como um sintoma menos comum da COVID-19, mas pode aparecer com mais frequência em adultos mais velhos e naqueles que têm uma forma grave da doença ou precisam de um ventilador para respirar. Em geral, os pacientes com delírio devido a qualquer doença tendem a ficar mais tempo no hospital e têm maior probabilidade de morrer, relatou o STAT.

“Delírio é um ótimo barômetro”, disse Wes Ely, MD, um médico intensivo da Universidade de Vanderbilt, ao STAT. “Se as pessoas estão confusas, preste atenção, porque agora, elas podem ter COVID.”

No estudo, os pesquisadores analisaram os registros médicos de 817 pacientes com COVID-19 em sete hospitais em cinco estados quando a pandemia disparou em meados de março. Todos os pacientes tinham 65 anos ou mais, e a idade média era de 77 anos.

Mais de 28% foram diagnosticados com delírio, que foi o sexto sintoma mais comum após febre, falta de ar, baixo oxigênio, tosse e fraqueza. Ao mesmo tempo, mais de 37% das pessoas com delírio não relataram nenhum dos outros sintomas comuns de COVID-19 e 16% tinham delírio como sintoma primário.

Pessoas com delírio eram mais propensas a ter mais de 75 anos, viver em uma casa de repouso ou casa de repouso, ter doença de Parkinson, tomar medicamentos psicoativos no passado e ter problemas de visão ou audição.

Mesmo assim, a maioria dos departamentos de emergência não faz a triagem de pacientes para delírio como parte de sua rotina, relatou o STAT. Mas os autores do estudo esperam que suas pesquisas levem as pessoas a ficarem atentas e tratá-lo mais cedo.

“Adicionar delírio como um sintoma comum de apresentação da Covid-19 evitará que casos importantes sejam perdidos e permitirá a identificação e o manejo antecipados de pacientes vulneráveis ​​com alto risco de resultados ruins”, escreveram eles.

Fonte sugerida: WebMD

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.