Em 11 de março de 2011 um terremoto de magnitude 9 sacudiu Fukushima, provocando ondas de tsunami com 13 andares de altura. O épico desastre natural resultou em colapsos nucleares e explosões de hidrogênio na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, de propriedade da Tokyo Electric Power Company (TEPCO).

Mas, nos oito anos que passaram, a água contaminada foi coletada em unidades de armazenamento temporário. Até 150 toneladas de água subterrânea contaminada estão entrando nos edifícios do reator, apesar dos sub-drenos e dos poços de bombeamento. (Greenpeace)

Mas o espaço está acabando.

Yoshiaki Harada, ministro do meio ambiente do Japão, disse recentemente que é sua opinião que “a única opção será drená-la para o mar e diluir [a água contaminada].” (Business insider)

Harada, no entanto, não tem a palavra final sobre o assunto. A TEPCO está à disposição para ouvir a decisão que o governo japonês tomará depois de consultar uma equipe de especialistas. (Reuters)

Os comentários de Harada provocaram veemente oposição de organizações de defesa ambiental como o Greenpeace. O Greenpeace disse em comunicado que a “única opção ambientalmente aceitável” seria continuar armazenando a água e filtrando-a por contaminantes. (Business insider)

A eles se juntam alguns vizinhos do Japão, incluindo Kim Ik-Jung, membro da Comissão de Segurança e Proteção Nuclear da Coréia, que disse ao The Korea Times: “Existe outra opção para lidar com a água radioativa. O Japão pode mantê-lo nos tanques até que o nível de radiação fique baixo o suficiente. Mas isso leva tempo e dinheiro. Levará cerca de 300 anos até que seja bom descarregar a água. ”(Futurism)

Então, quais são os trabalhadores da fábrica de contaminantes que estão coletando e armazenando? Durante o terremoto de 2011, os trabalhadores da limpeza usaram água para esfriar os núcleos dos reatores nucleares. Ao mesmo tempo, as águas subterrâneas se infiltraram como resultado do tsunami e se misturaram com materiais radioativos. Os principais pontos de preocupação para essa água contaminada são os isótopos, incluindo estrôncio e trítio.

O sistema de filtragem conhecido como ALPS (sistema avançado de processamento de líquidos) não conseguiu descontaminar completamente a água poluída e, portanto, a TEPCO a mantém no que era para ser instalações temporárias de armazenamento. Segundo algumas estimativas, cerca de 80% da água da usina ainda mede níveis de radiação muito altos para serem despejados no oceano, de acordo com os regulamentos do governo. (Asahi, Ministério do Meio Ambiente)

James Conca concordaria com o ministro do Japão, no entanto. Ele é um cientista no campo das ciências da terra e do meio ambiente há 33 anos, especializado em descarte geológico de resíduos nucleares, pesquisas relacionadas à energia, processos de superfície planetária, radiobiologia e blindagem para colônias espaciais, transporte subterrâneo e limpeza ambiental de materiais pesados. metais.

Ele disse à revista Forbes que despejar a água por um período de dez anos é realmente a coisa mais segura a se fazer. (Forbes)

“Nenhum dano foi causado pelo trítio nos seres humanos ou no meio ambiente, independentemente da concentração ou dose. Colocar essa água no oceano é, sem dúvida, a melhor maneira de se livrar dela. Concentrá-la e contentorizá-la realmente causa mais riscos potenciais para as pessoas e o meio ambiente. E é muito, muito caro, sem benefício. ”(Forbes)

A questão do custo é o que os representantes do Greenpeace consideram a principal razão pela qual o ministro do Meio Ambiente do Japão sente que está ficando sem tempo. “Eles não querem pagar os custos totais do armazenamento e processamento da água contaminada, incluindo a remoção do trítio radioativo”, disseram eles ao Korea Times. (Asahi)

Desde a declaração de Harada, o ex-presidente da TEPCO, Tsunehisa Katsumata e dois ex-colegas que foram acusados de não tomar as devidas precauções contra um desastre natural, como o terremoto e o tsunami de 2011, foram absolvidos.

“Seria impossível operar uma usina nuclear se os operadores fossem obrigados a prever todas as possibilidades sobre um tsunami e a tomar as medidas necessárias”, disse o juiz Kenichi Nagafuchi, que proferiu o veredicto. (Washington Post)

Até o Japão atualizar as ações da TEPCO, autoridades e cientistas discutirão e as gigantescas unidades de armazenamento de água contaminada continuarão sendo abastecidas.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.