Conhecida como diástase do músculo reto abdominal ou então diástase abdominal pós gravidez, a diástase se apresenta na forma de um estiramento causado pelo enfraquecimento da musculatura abdominal.

A diástase é um distúrbio muscular bastante comum que se desenvolve principalmente em mulheres grávidas. De fato, as estatísticas indicam que cerca de 66% das mulheres desenvolvem diástase durante o terceiro trimestre da gravidez. Basicamente, é aquela barriga proeminente que não desaparece com a prática de exercícios ou dieta, devido a uma separação dos músculos abdominais.

Por que a diástase aparece após a gravidez?

Durante a gravidez, há uma série de alterações hormonais, como o aumento da relaxina, progesterona e estrogênio, que afetam a composição e a produção do colágeno encontrado nos tecidos e são responsáveis por permitir que os músculos retornem a sua posição natural após o parto. Quando o colágeno não é suficiente, o tecido conjuntivo que une os retos abdominais enfraquece e os músculos não podem retornar à sua posição natural.

Além disso, o aumento do volume uterino e da pressão abdominal, a mudança no eixo do corpo e a modificação da pelve também podem afetar o desenvolvimento da diástase. É por isso que as mulheres que ganharam muito peso durante a gravidez, tiveram partos complicados ou múltiplos ou foram submetidas a cesarianas, geralmente sofrem de dores nas costas, incontinência urinária e problemas digestivos, conseqüências dessa dificuldade.

Diastasis abdominal sintomas e1491461319497 700x336 - Diástase abdominal: o que é e como combatê-la?

A diástase também tem sido associada a algumas disfunções do assoalho pélvico, como incontinência urinária, prolapso e dor pélvica, além de estabilização inadequada do centro do corpo. Também pode causar má digestão, gases e constipação, e aumenta o risco de hérnia das vísceras abdominais. Felizmente, esse distúrbio pode ser tratado.

Cinco recomendações para combater a diástase abdominal

O sucesso do tratamento da diástase dependerá em grande parte da distância, largura e profundidade da separação dos músculos. Idealmente, consulte um médico que avalie o problema e proponha um plano de tratamento personalizado. No entanto, você também pode implementar essas recomendações, que o ajudarão a reverter ou pelo menos impedir a separação dos retos abdominais.

1. Evite fazer abdominais tradicionais

Muitas mulheres pensam que a melhor maneira de perder a barriga é realizando inúmeras séries de abdominais. No entanto, abdominais tradicionais, que envolvem flexão do tronco para a frente, são proibidos para diástase. De fato, eles representam um alto risco, pois se os músculos retos abdominais estiverem mais separados do que o normal, a única coisa que você conseguirá com os abdominais é aumentar essa separação.

2. Tonifique os músculos do abdômen

O principal tratamento para combater a diástase é recuperar a funcionalidade abdominal. Para conseguir isso, você terá que trabalhar o abdômen transverso, um músculo abdominal profundo, que separa as vísceras dos dois lados do umbigo. Um ótimo exercício é a ginástica abdominal hipopressiva, na qual você trabalhará a circunferência abdominal, um treinamento benéfico tanto no nível dos músculos profundos do abdômen quanto no nível dos músculos e tecidos do assoalho pélvico. Você também pode fazer exercícios de Pilates, ioga e Kegel.

3. Evite a manobra de Valsalva

A manobra de Valsalva, amplamente difundida, é realizada ao se exalar (emitir ou lançar fora de si) forçadamente o ar contra os lábios fechados e nariz tapado, forçando o ar em direção ao ouvido médio se a tuba auditiva estiver aberta.
Essa manobra envolve maior pressão no abdômen, como quando você levanta ou carrega um peso ou se levanta bruscamente da cama. Portanto, se você não quiser piorar sua condição, seria melhor evitá-la.

4. Tratar constipação

Além de ser um problema digestivo bastante irritante, a constipação é um dos maiores inimigos do assoalho pélvico e da diástase. De fato, o esforço que você faz ao evacuar envolve hiperpressão abdominal que pode aumentar a separação entre o reto abdominal e afetar os músculos do períneo. Portanto, é melhor que você adicione alimentos ricos em fibras à sua dieta e faça uma caminhada rápida pelo menos meia hora todos os dias.

5. Use uma cinta

Quando o transverso está muito enfraquecido e o tecido fascial foi gravemente ferido, você pode usar uma cinta projetada especificamente para o tratamento da diástase. Basicamente, esse tipo de cinta tem a função de se aproximar do reto abdominal, para que a linha central se cure, atuando como uma espécie de espartilho natural que facilita a cicatrização do tecido danificado. Obviamente, a cintura sozinha não é eficaz, você também deve implementar um programa de treinamento para os músculos profundos do abdômen.


Fontes: Etapa Infantil / Scielo

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.