Um novo dispositivo tem o potencial de levar água potável e energia solar para mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo que vivem sem eletricidade e 844 milhões de pessoas que vivem sem acesso a água potável.

Pesquisadores da King Abdullah University of Science and Technology em Thuwal, Arábia Saudita, compartilharam uma alternativa às tecnologias atuais de purificação de água, de acordo com o The Guardian.

Eles descobriram uma estratégia para usar um dispositivo de destilação de painel solar fotovoltaico (PV) integrado para produzir água doce e gerar eletricidade ao mesmo tempo.

Ao contrário de tecnologias semelhantes, sua ferramenta não consumiria tanta eletricidade ou exigiria infraestrutura à qual as comunidades que vivem na pobreza nem sempre têm acesso, explicou a equipe na revista Nature Communications. Mas os especialistas dizem que a tecnologia por si só não pode atuar como uma bala de prata para a crise global da água .

O versátil dispositivo pode ser instalado em regiões secas, onde a água potável é mais necessária – 1 a 2 bilhões de pessoas são afetadas pela escassez de água e a maioria delas vive em terras áridas. Ou pode ser usado em quintais e adaptado para áreas maiores.

A invenção dos pesquisadores pode gerar água limpa que pode ser usada para limpar painéis solares para remover partículas de poeira, de acordo com o professor Peng Wang, co-autor da pesquisa. Ele também tem a capacidade de irrigar plantas e safras e tornar possível a agricultura no deserto, disse ele.

“É uma aplicação interessante dos projetos bem conhecidos de evaporação de múltiplos estágios e recuperação de calor de baixa temperatura de painéis fotovoltaicos”, disse Ashok Gadgil, cientista sênior do Lawrence Berkeley National Laboratory, ao Global Citizen.

Embora a criação dos pesquisadores não seja a primeira a fazer uso da destilação solar, eles afirmam que ela tem a vantagem de ser compacta e combinar dois tipos de tecnologia que costumam exigir acessórios e um grande terreno para uso.

Leia também: Nova York transformou o maior depósito de lixo do mundo em um oásis verde de plantas nativas

O dispositivo pode ser usado para purificar água do mar contaminada com metais pesados ​​em uma taxa mais alta do que os métodos solares convencionais para destilar água. Durante os testes em condições climáticas perfeitas, a eficiência energética da célula solar foi de cerca de 11% de acordo com os pesquisadores, o que é maior do que anteriormente relatado por outros que trabalham em dispositivos semelhantes.

107795930 theoutlookoffuturepvfarm - Dispositivo pode levar energia solar e água potável para milhões

Então, como exatamente o dispositivo funciona? Primeiro, a água de superfície salina, salobra ou contaminada é purificada passando por células solares de silício. Então, o “calor residual” da célula solar aquece a água salina que passa por baixo dela, a água evapora, passa por uma camada e se condensa para fornecer água limpa. O calor que aquece a água salina na célula solar de silício abaixo dela é liberado como resultado, e esse processo é então repetido para a próxima célula solar. Finalmente, a água purificada sai do aparelho e é coletada.

Erik Harvey, diretor da unidade de suporte do programa da WaterAid, se pergunta que tipo de investimento seria necessário para usar o dispositivo para garantir água adequada para uso humano e outros usos domésticos.

“Toda tecnologia requer um bom gerenciamento”, disse Harvey ao Global Citizen, “que por sua vez requer um ambiente político, legislativo e financeiro favorável, e isso não existe ou é fraco em muitos locais que sofrem de estresse hídrico”.

A taxa de sucesso do dispositivo também depende da existência de água suficiente disponível em primeiro lugar, disse Harvey.

Distribuição e custos são outra preocupação para Harvey e Gadgil.

“O teste final dessa nova tecnologia será o preço da água dessalinizada”, disse Gadgil. “Essa água é acessível para a população a que se destina?”

A equipe de pesquisadores descreveu várias versões do dispositivo e ainda está trabalhando para ampliar a invenção e, ao mesmo tempo, reduzir custos.

Fontes: Global Citizen / The Guardian

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.