Cientistas americanos desenvolveram uma nova forma de medicamento que promove a regeneração das células e reverte a paralisia em camundongos com lesões na coluna, permitindo-lhes andar novamente quatro semanas após o tratamento.

A pesquisa foi publicada na revista Science na quinta-feira, e a equipe de cientistas da Northwestern University por trás dela espera entrar em contato com a Food and Drug Administration (FDA) já no próximo ano para propor testes em humanos.

“O objetivo de nossa pesquisa era desenvolver uma terapia traduzível que pudesse ser levada à clínica para evitar que os indivíduos ficassem paralisados ​​após um grande trauma ou doença”, disse Samuel Stupp, da Northwestern, que liderou o estudo, à AFP.

Curar a paralisia é um objetivo de longa data da medicina, e outras pesquisas de ponta no campo incluem tratamentos experimentais usando células-tronco para fazer novos neurônios (células nervosas), terapia genética que diz ao corpo para produzir certas proteínas para auxiliar no reparo do nervo ou injeção proteínas.

A equipe de Stupp, por outro lado, usou nanofibras para imitar a arquitetura da matriz extracelular – uma rede de moléculas que ocorre naturalmente ao redor do tecido que é responsável pelo suporte das células.

Cada fibra é cerca de 10.000 vezes mais estreita do que um fio de cabelo humano e são formadas por centenas de milhares de moléculas bioativas chamadas de peptídeos que transmitem sinais para promover a regeneração nervosa.

A terapia foi injetada como um gel no tecido ao redor da medula espinhal de ratos de laboratório 24 horas depois que uma incisão foi feita em suas espinhas.

A equipe decidiu esperar um dia porque os humanos que recebem lesões espinhais devastadoras em acidentes de carro, tiros e assim por diante também sofrem atrasos no tratamento.

Quatro semanas depois, os ratos que receberam o tratamento recuperaram a capacidade de andar quase tão bem quanto antes da lesão. Os que não foram tratados, não.

Os ratos foram então colocados para examinar os impactos da terapia no nível celular, e a equipe encontrou melhorias dramáticas na medula espinhal.

As extensões cortadas de neurônios chamados axônios regenerados, e o tecido cicatricial que pode atuar como uma barreira física para a regeneração foi significativamente diminuído.

Além do mais, uma camada isolante de axônios chamada mielina, importante na transmissão de sinais elétricos, havia se reformado, os vasos sanguíneos que transportam nutrientes para as células danificadas se formaram e mais neurônios motores sobreviveram.

Moléculas ‘dançantes’

Uma descoberta importante da equipe foi que a criação de uma certa mutação nas moléculas intensificou seu movimento coletivo e aumentou sua eficácia.

Isso ocorre porque os receptores nos neurônios estão naturalmente em movimento constante , explicou Stupp, e aumentar o movimento das moléculas terapêuticas dentro das nanofibras ajuda a conectá-las de forma mais eficaz com seus alvos móveis.

Os pesquisadores de fato testaram duas versões do tratamento – uma com a mutação e outra sem – e descobriram que os ratos que receberam a versão modificada recuperaram mais funções.

O gel desenvolvido pelos cientistas é o primeiro do tipo, mas pode inaugurar uma nova geração de medicamentos conhecidos como “medicamentos supramoleculares”, porque a terapia é um conjunto de muitas moléculas em vez de uma única molécula, disse Stupp.

Segundo a equipe, é seguro porque os materiais se biodegradam em questão de semanas e se tornam nutrientes para as células.

Stupp disse que espera passar rapidamente para os estudos em humanos, sem a necessidade de mais testes em animais , como em primatas.

Isso ocorre porque o sistema nervoso é altamente semelhante em todas as espécies de mamíferos e “não há nada lá fora para ajudar os pacientes com lesão da medula espinhal, e este é um grande problema humano”, disse ele.

De acordo com estatísticas oficiais, quase 300.000 pessoas vivem com uma lesão na medula espinhal somente nos Estados Unidos. Sua vida útil é menor do que a de pessoas sem lesão medular e não melhorou desde os anos 1980.

“O desafio será como o FDA verá essas terapias porque elas são completamente novas”, previu Stupp.

Legenda da imagem da capa: Medula espinhal (verde e azul) com axônios regenerativos (vermelho) fluindo em direção ao dano central.

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.