Os dois anos… os terríveis dois anos! Todos nós já passamos por isso, mesmo que não nos lembremos. É aquela idade em que o bebê deixa de ser bebê, mas não quer ou sabe fazer.

É um fato que as crianças pequenas são verdadeiras exploradoras. Assim que começam a se movimentar de forma autônoma, querem tocar em tudo, ver tudo e mover tudo na casa.

O problema é que, como pais, queremos manter nossos objetos intactos ou fazer nossos filhos entenderem que certas situações são perigosas, mas eles podem ser sistematicamente obstinados em não reagir às nossas explicações.

Muitas vezes, por mais que digamos aos nossos filhos que este ou aquele objeto não deve ser tocado ou que algo não deve ser feito, devido à curiosidade aguçada pela proibição, eles insistem em querer fazê-lo.

Mas essa curiosidade não deve prevalecer sobre a responsabilidade, que é uma moral que deve ser inculcada em todos. A responsabilidade deve ser incutida nas crianças desde a infância para que, quando crescerem, não se tornem covardes e fujam dos problemas que enfrentam.

O limite também é o amor.

Acreditar que dizer “não” a uma criança vai deixá-la triste é uma ideia equivocada. Ao contrário, quando não estabelecemos limites, é quando ele sentirá que não é amado porque associará isso à falta de atenção. Para desenvolver, você precisa de regras e regulamentos que devem ser respeitados.

Ao dar demasiada liberdade de escolha, mergulhamos nossos filhos em uma situação de insegurança.

Por exemplo, perguntar a uma criança com menos de três anos o que ela quer comer pode ser um grande erro porque transmitimos a ideia de que não sabemos algo tão importante e torna-se uma ideia aterrorizante nelas que não poderemos para protegê-los.

Por que estabelecer limites?

Vamos ver por que os limites são tão necessários para o desenvolvimento das crianças.

  1. 1.Favorece a autonomia

Ao buscar limites externos, as crianças demonstram sua vontade de aprender a se controlar e a incorporar limites para si mesmas.

Dessa forma, é que ele solicita a intervenção do adulto para que ele estabeleça esses limites que incorporará aos poucos. Ao estabelecer regras para uma criança, os adultos favorecem sua autonomia.

A criança repetirá o comportamento até que entenda quais são os limites. Isso leva tempo, paciência por parte dos pais e repetição repetida das explicações.

  1. 2. Marca as tarefas que você ainda não pode fazer

Enquanto você o deixa fazer as tarefas que representam uma conquista para ele, explique-lhe quais ele ainda não pode fazer: passar ferro, ir às compras sozinho… não. No entanto, você pode adicionar que muito em breve poderá fazê-lo.

  1. 3. Nunca grite com ele ou confronte-o em um acesso de raiva

A melhor coisa quando a criança está em plena onda de calor por capricho, é esperar e conversar com ela quando ela se acalmar. É inútil tentar parar um tornado com uma palavra bonita ou um grito.

Ofereça a ele seu amor e compreensão quando ele se acalmar, mas não concorde com seus pedidos. Você vai entender que na vida você não pode conseguir tudo por um acesso de raiva.

  1. 4. Use regras claras e diretas, sem desvios.

Diante de pais que preferem ‘convidar’ seus filhos a fazer coisas… aos dois anos de idade, as regras devem ser claras e firmes: ‘pegue seu quarto’; — É hora do banho.

E não: ‘e se você pegar o quarto?; Gostaria de tomar um banho agora?… Não! Use os imperativos, mas de forma amorosa, sem gritar ou ameaçar, mas com firmeza. Claro, você pode antecipar o que terá que fazer, para que a mudança não o pegue de surpresa. Por exemplo: ‘você tem um tempinho para jogar e depois pega’.

  1. 5. Estabeleça pontos de referências

Sempre diga aos seus filhos o que eles podem e o que não devem fazer, isso os ajudará a forjar sua personalidade e entender o que é correto e os parâmetros que devem levar em consideração no futuro.

  1. Isso os tornará mais tolerantes à frustração e resilientes ao fracasso. Se dissermos sim a tudo, a criança acreditará que é um deus e que ninguém pode impedi-la, todos terão que realizar seus desejos quando quiserem e isso é terrível para seus relacionamentos futuros. E quando algo ruim acontecer com ele, e mais cedo ou mais tarde certamente acontecerá, ele não saberá como reagir ou lidar com isso adequadamente.
  2. Ter limites claros ensina você a viver em sociedade Você já sabe que terá que ingressar na sociedade que tem e para isso deve fazê-lo da maneira correta, comportando-se bem e entendendo os limites sem dúvida que o fará. A criança será mais sociável e poderá conviver com os outros de forma saudável.

El Club de ços libros perdidos / Guía infantil / Ignis

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.