Um estudo observacional encontrou uma ligação entre o consumo de bebidas açucaradas e um risco aumentado de câncer. 100ml de bebidas açucaradas por dia foi associado com um risco de 18% de câncer em geral, e um aumento de 22% no risco de câncer de mama. Os pesquisadores especulam que o efeito do açúcar em refrigerantes e sucos de frutas pode estar ligado aos níveis de açúcar no sangue e à inflamação, que estão ligados ao desenvolvimento do câncer. Outros compostos, como aditivos, também podem desempenhar um papel.

Um estudo publicado pelo BMJ hoje relata uma possível associação entre o maior consumo de bebidas açucaradas e um aumento do risco de câncer.

Embora seja necessária uma interpretação cautelosa, os resultados somam-se a um crescente corpo de evidências que indicam que a limitação do consumo de bebidas açucaradas, juntamente com a tributação e as restrições de comercialização, pode contribuir para uma redução nos casos de câncer.

O consumo de bebidas açucaradas aumentou em todo o mundo durante as últimas décadas e está convincentemente associado ao risco de obesidade, que por sua vez é reconhecido como um forte fator de risco para muitos tipos de câncer. Mas a pesquisa sobre bebidas açucaradas e o risco de câncer ainda é limitada.

Assim, uma equipe de pesquisadores sediada na França decidiu avaliar as associações entre o consumo de bebidas açucaradas (bebidas adoçadas com açúcar e sucos de frutas a 100%), bebidas adoçadas artificialmente (dieta) e risco de câncer em geral, além de mama, câncer de próstata e intestino (colo-retal).

Suas descobertas são baseadas em 101.257 adultos franceses saudáveis ​​(21% homens; 79% mulheres) com uma média de idade de 42 anos no momento da inclusão do estudo de coorte NutriNet-Santé.

Os participantes completaram pelo menos dois questionários alimentares on-line validados 24 horas por dia, projetados para medir o consumo habitual de 3.300 alimentos e bebidas diferentes e foram acompanhados por um período máximo de 9 anos (2009-2018).

O consumo diário de bebidas açucaradas (bebidas adoçadas com açúcar e sucos de frutas 100%) e bebidas adoçadas artificialmente (dieta) foi calculado e os primeiros casos de câncer relatados pelos participantes foram validados por registros médicos e vinculados a bancos de dados nacionais.

Vários fatores de risco bem conhecidos para o câncer, como idade, sexo, nível educacional, histórico familiar de câncer, tabagismo e níveis de atividade física, foram levados em consideração.

O consumo médio diário de bebidas açucaradas foi maior nos homens do que nas mulheres (90,3 mL v 74,6 mL, respectivamente). Durante o acompanhamento, 2.193 primeiros casos de câncer foram diagnosticados e validados (693 cânceres de mama, 291 cânceres de próstata e 166 cânceres colorretais). A idade média no diagnóstico de câncer foi de 59 anos.

Os resultados mostram que um aumento de 100 mL por dia no consumo de bebidas açucaradas foi associado com um aumento de 18% no risco de câncer em geral e um aumento de 22% no risco de câncer de mama.

Quando o grupo de bebidas açucaradas foi dividido em sucos de frutas e outras bebidas açucaradas, o consumo de ambos os tipos de bebidas foi associado a um maior risco de câncer em geral. Nenhuma associação foi encontrada para câncer de próstata e colorretal, mas o número de casos foi mais limitado para esses locais de câncer.

Em contraste, o consumo de bebidas adoçadas artificialmente (diet) não foi associado ao risco de câncer, mas os autores advertem que é necessário cautela na interpretação deste achado devido a um nível de consumo relativamente baixo nesta amostra.

Possíveis explicações para esses resultados incluem o efeito do açúcar contido em bebidas açucaradas sobre a gordura visceral (armazenada em torno de órgãos vitais, como fígado e pâncreas), níveis de açúcar no sangue e marcadores inflamatórios, todos ligados ao aumento do risco de câncer.

Outros compostos químicos, como aditivos em alguns refrigerantes, também podem ter um papel, acrescentam.

Este é um estudo observacional, por isso não pode estabelecer causa, e os autores dizem que não podem descartar algum erro de classificação de bebidas ou garantir a detecção de cada novo caso de câncer.

No entanto, a amostra do estudo foi grande e eles puderam se ajustar a uma ampla gama de fatores potencialmente influentes. Além do mais, os resultados foram praticamente inalterados após mais testes, sugerindo que os resultados resistem ao escrutínio.

Esses resultados precisam de replicação em outros estudos de grande escala, dizem os autores.

“Estes dados suportam a relevância das recomendações nutricionais existentes para limitar o consumo de bebidas açucaradas, incluindo suco de frutas 100%, bem como ações políticas, como impostos e restrições de marketing direcionadas a bebidas açucaradas, que podem contribuir potencialmente para a redução da incidência de câncer” eles concluem.


Fonte: BMJ – neurosciencenews
Pesquisa original:
Sugary drink consumption and risk of cancer: results from NutriNet-Santé prospective cohort”. Mathilde Touvier et al. BMJ. doi:10.1136/bmj.l2408 –

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.