Estudo sugere que a infecção por COVID-19 pode envelhecer o cérebro e reduzir a cognição

A COVID-19 é conhecida por impactar negativamente a capacidade cognitiva em um número significativo de pessoas que foram infectadas. Um novo estudo sugere que alguns pacientes podem observar um declínio na cognição equivalente ao envelhecimento do cérebro em aproximadamente 10 anos.

Um estudo com 84.000 pacientes conduzido em Londres revelou que alguns casos graves mostram que a infecção pelo novo coronavírus “está ligada a déficits cognitivos substanciais por meses”, relatou a Reuters .

O estudo, conduzido no Imperial College London, ainda não foi revisado por especialistas. O relatório mostrou que, em alguns casos, as pessoas que se recuperaram do vírus continuaram a apresentar déficits cognitivos significativos.

No início deste mês, um relatório da Universidade de Harvard observou que cerca de um terço dos pacientes COVID-19 que estavam em unidades de terapia intensiva devido a insuficiência respiratória aguda ou algum tipo de choque experimentaram comprometimento cognitivo equivalente a pessoas que sofreram uma lesão cerebral traumática. As deficiências incluíam lacunas de memória, problemas de atenção e problemas com funções simples.

O estudo do Imperial College London analisou os resultados de 84.285 pacientes COVID-19 que completaram um estudo denominado Great British Intelligence Test. De acordo com o relatório, aqueles que foram hospitalizados com COVID-19 demonstraram sintomas mais graves de declínio cognitivo. Os piores casos mostraram impactos “equivalentes ao declínio médio de 10 anos no desempenho global entre as idades de 20 a 70”, relatou a Reuters .

Embora o estudo do Imperial College London pareça preocupante, a Reuters observou que alguns pesquisadores sugerem considerar os dados com cautela. Joanna Wardlaw, professora de neuroimagem aplicada na Universidade de Edimburgo, disse à agência de notícias que a função cognitiva dos pacientes que participaram do Great British Intelligence Test não era conhecida antes de sua infecção por COVID-19.

Embora esses pacientes possam ter experimentado algum declínio cognitivo, Wardlaw disse que não se sabe quanto tempo o problema pode durar. A cognição melhorada pode retornar quanto mais tempo o paciente se recupera.

Outra crítica ao estudo aponta que os pesquisadores não só não compararam as pontuações antes e depois do teste, mas também confiaram na honestidade dos pacientes. Derek Hill, professor de ciência da imagem médica na University College London, disse à Reuters que muitas das pessoas que participaram do estudo relataram ter sido infectadas com COVID-19 e não necessariamente receberam um teste positivo.

“No geral (esta é) uma pesquisa intrigante, mas inconclusiva, sobre o efeito do COVID no cérebro”, disse Hill à Reuters . “À medida que os pesquisadores buscam compreender melhor o impacto de longo prazo do COVID, será importante investigar mais a fundo até que ponto a cognição é afetada nas semanas e meses após a infecção e se danos permanentes à função cerebral resultam em algumas pessoas.”

Fonte: CNN BRASIL       /   Créditos da imagem: Pixabay

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.