Embora o nosso sangue contenha uma enorme quantidade de informação, a tecnologia parece ainda estar alcançando o que podemos aprender com essa força vital.

No passado, exames de sangue só podiam revelar muito sobre o estado interno de nossos corpos. Agora, a tecnologia emergiu e continua a emergir, o que nos permite obter ainda mais dados do nosso sangue, e o futuro tem ainda mais potencial.

Esses tipos de testes não estavam disponíveis há apenas cinco anos. De fato, a Food and Drug Administration (FDA) só aprovou a primeira “biópsia líquida” em 2016 (para testar a mutação coba EGFR em pacientes com câncer de pulmão)

Biópsia líquida é o termo usado para descrever o sangue que é usado como um tipo de biópsia para testar câncer, doenças cardíacas, depressão e, até mesmo, tecnologias atuais em desenvolvimento podem sugerir dor crônica e doença mental. (+informações)

Quais condições os exames de sangue têm potencial para identificar?

Câncer
Você sabia que o câncer pode realmente “derramar” o DNA em seu sangue? A tecnologia que usa exames de sangue para o câncer já está disponível e continua a se desenvolver. Esses testes têm o potencial de não apenas detectar o câncer, mas também fornecer informações valiosas para criar e monitorar um plano de tratamento com base na mutação específica da célula que está causando o câncer.

Há um exame de sangue disponível para detectar o câncer de cólon, embora a informação que ele possa fornecer seja um pouco limitada, já que não é precisa para pólipos pré-cancerosos neste momento [+]. Embora o exame de sangue possa ajudar a detectar o câncer de cólon, este teste, por si só, não pode determinar definitivamente se o câncer está presente.

No entanto, esta tecnologia está evoluindo e nos próximos cinco anos os especialistas esperam ainda mais avanços que poderiam levar a exames de sangue que detectam mais tipos de câncer. Já vimos como uma biópsia líquida pode identificar o DNA do câncer em pacientes com câncer de pulmão e ser usada para monitorar a eficácia do tratamento também. (+)

Ataque cardíaco
Os exames de sangue podem revelar muitas informações sobre o risco de ataque cardíaco, como colesterol elevado, mas quase metade dos pacientes que sofrem ataques cardíacos têm níveis normais de colesterol. (+)

Outros exames de sangue podem sugerir um alto risco, permitindo que as pessoas adotem hábitos mais saudáveis para gerenciar melhor esse risco, mas novas tecnologias podem permitir o teste de componentes genéticos que podem ser ainda mais úteis na identificação de pessoas com alto risco de ataques cardíacos. (+)

Embora essa tecnologia específica possa levar alguns anos para se desenvolver, existem exames de sangue atuais disponíveis para proteína C reativa (PCR), um marcador de inflamação que pode indicar risco futuro de ataque cardíaco. Outros testes disponíveis incluem troponina cardíaca e albumina modificada por isquemia (IMA), o que pode ser indicativo de um sinal de alerta de um ataque cardíaco, mas níveis elevados ainda exigem testes adicionais para determinar se um problema está realmente presente.

Com os próximos testes de sangue para fatores genéticos específicos, as pessoas podem saber o risco de ataque cardíaco muito mais cedo e colocar em prática etapas para minimizar o risco no início.

Doença mental
Atualmente, não há exames de sangue que possam determinar se você tem ou não uma doença mental, como depressão. Mas nossos corpos respondem a essas condições, assim como nossos cérebros. Pesquisas mostram que até o nosso sistema imunológico é afetado pela nossa saúde mental e vice-versa. (+)

Os exames de sangue estão atualmente em andamento para ajudar a detectar certos genes que foram ligados às condições de saúde mental. Esses testes ainda estão a alguns anos de distância, mas eles medem potencialmente as moléculas de RNA, cujos níveis no sangue mudam junto com as mudanças nos pensamentos suicidas, de acordo com a pesquisa. (+)

Esses testes ainda estão sendo desenvolvidos e, é claro, complexos (a evidência mostra que alguns marcadores no sangue para avaliar o risco de suicídio variam de acordo com o gênero). No entanto, eles podem fornecer um melhor indicador de risco de suicídio e até mesmo dor e estresse. Neste momento, os médicos ainda precisam confiar em conversas com seus pacientes para determinar o risco de doença mental ou suicídio.

Concussões
Anteriormente, a única maneira de detectar sangramento e inchaço no cérebro devido a traumatismo craniano era de certos testes neurológicos e tomografias computadorizadas.

No entanto, há pessoas que sofrem ferimentos graves na cabeça que não podem ser detectados com esses métodos, e essas pessoas podem não receber a ajuda ou o tratamento de que precisam como resultado.

Os exames de sangue estão mudando tudo isso. A FDA aprovou o primeiro exame de sangue para concussões em 2018 chamado Indicador de Trauma Cerebral [+]. Até agora, este teste só foi aprovado para adultos, mas pode preencher as ferramentas de diagnóstico que faltam para pessoas que têm traumas graves, mas não são suficientemente óbvias para serem vistas em um exame ou detectadas com testes neurológicos.

Como funciona? O teste mede duas proteínas (UCH-L1 e GFAP) no cérebro que são liberadas em sua corrente sanguínea dentro de 12 horas após sofrer uma lesão na cabeça. Os níveis dessas proteínas podem revelar lesões cerebrais que não aparecem em exames de tomografia computadorizada ou podem permitir que as pessoas pulem uma tomografia computadorizada em alguns casos

Os resultados do teste podem prever com precisão quais pessoas terão uma lesão visível em uma TC e quais não serão. Os resultados estão disponíveis em 3-4 horas e podem ajudar as pessoas a obter o tratamento de que precisam.

O que o futuro reserva?
Avanços futuros podem revelar ainda mais biópsias líquidas que podem ajudar pacientes muito fracos ou doentes a fornecer biópsias tradicionais para doenças graves, como o câncer. À medida que os exames de sangue que discutimos aqui surgem, os mais novos provavelmente seguirão, e logo outras formas de testes, como tomografia computadorizada, só podem ser realizadas conforme necessário, em vez de ser a primeira escolha para os pacientes.

COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.