Fonte:  CMAJ

Pesquisas canadenses mostram que a exposição de uma criança a produtos de limpeza doméstica nos primeiros meses de vida está ligada a chances aumentadas de asma aos 3 anos de idade.

Os bebês podem ser especialmente vulneráveis porque “costumam passar de 80% a 90% do tempo em ambientes fechados e são especialmente vulneráveis a exposições químicas nos pulmões e na pele devido às altas taxas de respiração e ao contato regular”. com superfícies domésticas “, de acordo com Tim Takaro, lider do estudo. Ele é um cientista médico da faculdade de ciências da saúde da Universidade Simon Fraser em Burnaby, British Columbia.

Em sua pesquisa, o grupo de Takaro examinou questionários preenchidos por pais de mais de 2.000 crianças que foram expostas a produtos de limpeza doméstica desde o nascimento até os 4 meses de idade.

As crianças foram avaliadas aos 3 anos de idade por asma, sibilância recorrente e “sensibilização alérgica”.

O estudo não conseguiu provar causa e efeito, mas os pesquisadores relataram que bebês com os mais altos níveis de exposição a produtos de limpeza tiveram um aumento de 37% no risco de serem diagnosticados com asma aos 3 anos de idade. Esses bebês também tiveram um risco 35% maior de desenvolver sibilância recorrente na mesma idade.

Os produtos de limpeza doméstica mais comuns que os pais relataram usar foram sabão para lavar as mãos, detergente para lava-louças, produtos de limpeza de várias superfícies, produtos de limpeza de vidro e sabão em pó.

Produtos de limpeza perfumados e pulverizados foram associados ao maior risco de chiado e asma, de acordo com o estudo publicado em 18 de fevereiro no CMAJ (Canadian Medical Association Journal).

Qual é o possível vínculo? Segundo os pesquisadores, produtos químicos em produtos de limpeza podem danificar o revestimento respiratório dos bebês, desencadeando vias inflamatórias do sistema imunológico, levando à asma e chiado no peito.

Alterações no microbioma de um bebê – os trilhões de micróbios saudáveis e úteis que vivem no corpo humano – também podem desempenhar um papel, acrescentaram.

“A maioria das evidências que ligam a asma ao uso de produtos de limpeza vem de adultos”, disse Takaro em um comunicado de imprensa da revista, de modo que o novo estudo adiciona informações valiosas.

Um especialista desconectado do novo estudo observou que os pesquisadores tentaram explicar outros fatores de risco em seus cálculos.

A ligação entre produtos de limpeza e asma infantil “foi encontrada em crianças que não tiveram exposição ao fumo passivo, portanto as duas exposições não são conflitantes”, disse o Dr. Len Horovitz, especialista em pulmão do Hospital Lenox Hill, em Nova York. A fumaça do cigarro em casa é um fator de risco conhecido para asma em crianças.

Barbara Keber é vice-presidente de medicina de família da Northwell Health em Glen Cove, Nova York. Revendo o novo estudo, ela disse que imita “outros que revelam achados semelhantes em crianças na última década”.

Keber apontou que o estudo apresentava algumas falhas: a maioria dos jovens vinha de casas brancas e abastadas, e não está claro quanto tempo eles realmente passaram em ambientes fechados. Além disso, ela disse, não é viável fazer o tipo de teste de pulmão em crianças usado em estudos semelhantes conduzidos com adultos.

Por fim, disse Keber, “é difícil saber se os sintomas persistirão na infância, adolescência e idade adulta – muitas crianças superam os sintomas de asma”.

Entretanto, o que os pais podem fazer se quiserem minimizar o risco potencial?

Segundo a equipe canadense, a escolha de produtos de limpeza doméstica que não sejam pulverizados ou que não contenham os chamados “compostos orgânicos voláteis” poderia ajudar a minimizar a exposição das crianças.

Por seu turno, Horovitz recomenda que “a ventilação adequada seja observada sempre que produtos de limpeza forem usados em crianças. Produtos isentos de odores, álcool e produtos químicos (ecologicamente corretos) são alternativas a fluidos de limpeza agressivos”.


FONTES: Len Horovitz, MD, especialista em pulmão, Hospital Lenox Hill, Nova York; Barbara Keber, MD, vice-presidente, departamento de medicina da família, Northwell Health, Glen Cove, NY; CMAJ (Canadian Medical Association Journal) 

Crédito da imagem: CMAJ

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.