A falta de acesso a água potável é um grande problema em partes da África, e essa mulher tomou para si a missão de ajudar.

Quando criança, Georgie Badiel tinha que se levantar antes do amanhecer todos os dias para caminhar até o poço mais próximo. Carregando um recipiente vazio na cabeça, ela caminhava três horas de ida e volta todos os dias, com sua avó e primas. Enquanto caminhava, ela sentiu a injustiça da situação queimando dentro dela.

Badiel percorreu um longo caminho desde então. Ela agora é uma supermodelo renomada e está em uma missão para ajudar as pessoas em sua terra natal a terem acesso à água potável com mais facilidade.

Nascida em 7 de fevereiro de 1985, na Costa do Marfim, Badiel cresceu entre lá e Burkina Faso. Assim que alcançou o sucesso, ela voltou para sua aldeia natal em Burkina Faso para ajudar.

O problema não era apenas em sua cidade natal. Milhões de pessoas em Burkina Faso carecem de água potável limpa e acessível.

Mulheres e meninas são encarregadas dessas jornadas diárias longas, perigosas e exaustivas para obter esse bem precioso. Depois de coletada, não pode ser bebida imediatamente, porque está cheia de bactérias perigosas; deve ser fervida e deixado esfriar. Quase vidas inteiras são imoladas a esse trabalho, com a mesma rotina todos os dias.

O site da fundação de Badiel descreve sua frustração com a situação, mesmo quando jovem:

Seus irmãos e primos eram autorizados a dormir enquanto ela e as outras meninas da casa tinham que ir buscar água. Georgie tinha dificuldade em aceitar essa desigualdade de gênero. À noite, antes de ir para a cama, ela perguntava à avó: “Por que a água está tão longe? Por que temos que ferver a água antes de bebê-la? ” Sua avó respondia que Georgie fazia muitas perguntas.

Ela mora e trabalha em Nova York agora, mas não se esqueceu de onde veio. Badiel se recusa a se resignar a deixar as coisas como estão.

Como é possível que ela possa tomar um banho longo, quente e limpo em seu apartamento em Manhattan, enquanto suas tias, primas, sobrinhas, irmãs, amigos e incontáveis ​​outras pessoas nos países da África Ocidental nem sequer podem sonhar com isso?

O começo da empresa

O ponto de viragem nesta história foi o nascimento de um bebê. Georgie disse ao jornal italiano Corriere della Sera que cinco anos atrás ela voou dos Estados Unidos para o Benin para visitar sua irmã grávida.

As coisas ali não eram nada diferentes de como ela as experimentara anos antes. Sua irmã teve que acordar antes do amanhecer para encher baldes com água. Algumas mulheres que viviam no campo tinham que caminhar até seis horas e correr o risco de ataques de homens e animais selvagens.

Não apenas dando, mas ensinando

Ela viu isso como uma situação inaceitável. Georgie queria fazer algo a respeito de uma forma inteligente e com visão de futuro, para ser um exemplo de verdadeiro empoderamento feminino.

Depois de explorar várias avenidas para levar água potável para casas e vilas em Burkina Faso, e deparar com inúmeros obstáculos, ela começou sua própria fundação. Não se trata apenas de cavar poços. É também sobre saneamento, educação e empoderamento das mulheres para serem agentes de mudança.

De acordo com o site da fundação, eles educaram mais de 15.000 crianças sobre práticas básicas de higiene e saneamento, restauraram 110 poços e construíram outros 19 – ajudando mais de 270.000 pessoas a terem acesso a água potável. Eles também capacitaram 118 mulheres para ajudar suas comunidades, treinando-as para restaurar e manter poços.

Como uma arrecadação de fundos e uma ferramenta de ensino, Badiel participou da transformação de sua história em um livro infantil, The Water Princess :

Para Badiel, o acesso à água envolve mais do que saúde e sustento físico; é sobre liberdade. Em uma entrevista no programa “Correção de Curso”, apresentado por Nelufar Hedayat, ela disse: “A água escraviza as pessoas porque elas não têm escolha”. Sem água, “não há liberdade. Você não pode ir à escola … A mulher não tem essa liberdade de ter a possibilidade de fazer outras coisas para si e para seus filhos. ”

É por isso que a supermodelo defende a água como um direito humano.

Na entrevista, ela diz:

Sabe, toda vez que volto para casa – tudo que penso é como posso fazer mais. Nunca é suficiente, faça o que fizer … Agora, quando vou para Burkina Faso, tudo o que quero fazer é encontrar a solução [para] como podemos levar água potável para o meu país. Porque quando vou para as aldeias, vejo mulheres como eu, vejo garotas como eu, que passam três horas, quatro horas – algumas dormem na estrada, só para trazer um balde d’água para a família. Você sabe, se realmente queremos resolver a pobreza, precisamos começar do básico. E para mim o básico é água. É aqui que a vida começa.

O Corriere della Sera coloca isso sem rodeios:

Não há futuro para um burquinense. Ainda menos para uma mulher que não se chama Georgie, não tem 1,80 metros (5’9 ”) de altura, não ganhou Miss África ou não trabalha para grandes agências de supermodelos como a Elite:“ A única perspectiva para uma africana é andar. E carregar água. Eu nunca aceitei isso para mim. E eu nunca vou aceitar isso por todos os outros. ”

Na verdade, não é aceitável, e na “Correção de Curso”, Badiel pede que “todo ser humano use um senso de compaixão para ajudar alguém que tem as necessidades humanas mais básicas, água potável limpa. Porque a água é tudo. ”

Sem água não se pode viver

Uma santa e mística italiana do século 17, a grande Santa Verônica Giuliani, concordaria com Badiel. Quando Veronica foi nomeada abadessa, ela projetou e construiu um sistema de canos para suas irmãs, que ela tinha visto subindo e descendo as escadas com baldes cheios de água, para distribuir água sem esforço por todo o mosteiro.

Famosa por suas experiências místicas intensas e sem precedentes e pelos muitos dons especiais que recebeu de Nosso Senhor, ela nunca perdeu o senso prático e educou suas irmãs com equilíbrio. Podemos confiar a sede da África a este grande patrono.

Seu patrocínio é especialmente adequado, pois ela entende a Água Viva que somente Cristo pode dar. Além da sede física, ela seria a melhor construtora para construir poços que tirem dessa água, que saciam verdadeiramente o coração de cada homem e mulher.

Aleteia

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.