Via Jornal da USP

O herpes-zóster, também conhecido como cobreiro, é uma doença viral com alta prevalência especialmente entre a população mais idosa: 30% dos maiores de 80 anos se infectam. Uma nova vacina contra a doença acaba de chegar ao Brasil. O imunizante tem vantagens em relação à vacina anterior, pois possui maior eficácia e cobre um público-alvo maior.

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, a professora Ana Marli Sartori, do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP e infectologista do Centro de Vacinação do Hospital das Clínicas, responde questões sobre o herpes-zóster e a nova vacina disponível.

Ana explica que o cobreiro é causado pelo vírus varicela-zóster. Na primeira vez que a pessoa entra em contato com ele, desenvolve a catapora. A resposta imune do organismo controla a doença, mas o vírus permanece na medula espinhal em estado de latência. “Durante esse período de latência, esse vírus não se manifesta porque é controlado pela imunidade adquirida pela infecção”, afirma a professora. “Porém, se a pessoa tiver algum comprometimento imunológico como um câncer, infecção por HIV e o uso de imunossupressores, ou por conta da idade, esse vírus pode se reativar por diminuição da resposta imune a ele”, acrescenta. Então, a doença se manifesta na forma do herpes-zóster.

Essa é uma doença bolhosa, que acompanha o trajeto dos nervos, por isso costuma ser localizada. Segundo Ana, o mais frequente é que ela se manifeste na região torácica. Primeiro são formadas manchas avermelhadas, que se transformam em vesículas que se aglomeram e evoluem para crostas na pele. Além de muito dolorido e incômodo, esse quadro pode desencadear uma neurite pós-herpética, “um quadro doloroso mantido mesmo após a regressão das lesões”. “É uma doença que compromete bastante a qualidade de vida da pessoa por conta da dor que ela causa”, diz a professora.

Vacina

O novo imunizante chega ao Brasil disponível apenas na rede privada, sem previsão para ser disponibilizada no SUS. A vacina é destinada a pessoas a partir de 50 anos e especialmente àquelas com mais de 60 anos, justamente o público com maior risco de contrair a doença. A nova vacina também tem outra vantagem: é recomendada para pessoas com algum tipo de imunossupressão, como transplantados, e pessoas com infecção por HIV, que não poderiam utilizar a vacina anterior.

A professora lembra ainda que a vacina contra o herpes-zóster pode ser utilizada de forma concomitante com outros imunizantes, como o da gripe ou da covid-19. “Não há nenhuma restrição de uso.” As reações, assim como em outros casos, incluem dor no local da aplicação e mal-estar.

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.