O homem de 30 anos ficou paralisado do pescoço para baixo em 2015 depois de cair de uma altura de 5 metros do telhado de uma boate.

Mas ele foi capaz de se mover pela primeira vez desde seu ferimento, usando o traje pioneiro.

Imagens emocionantes gravadas por médicos capturaram o ex-oculista andando, um feito que, segundo ele, parecia ser o “primeiro homem na Lua”.

Os membros do francês estão amarrados ao robô, que é alimentado por sinais cerebrais e anexado ao teto para apoio. Seus músculos ainda estão paralisados.

O avanço foi publicado na revista médica The Lancet Neurology, com pesquisadores rotulando o exoesqueleto como um “avanço emocionante”.

No entanto, a tecnologia ainda está nos seus primeiros dias e está longe de ser usada na vida cotidiana. Estudos adicionais em outros pacientes estão planejados.

Atualmente, não há cura para a tetraplegia, forçando a maioria dos pacientes a passar o resto de suas vidas em cadeiras de rodas e precisando de cuidados 24 horas por dia.

73614090 - Homem tetraplégico consegue andar usando um equipamento controlado pela sua mente


Thibault ficou paralisado dos ombros para baixo, com apenas alguns movimentos nos bíceps e no pulso esquerdo para operar o joystick da cadeira de rodas.

Mas agora, após dois anos de treinamento cerebral, ele pode finalmente se mover novamente, revelaram os pesquisadores da Universidade de Grenoble.

Thibault disse: ‘Não é um exoesqueleto para ir ao bar com meus amigos, mas eu consegui algo inédito.

‘Não me levantava havia dois anos e tinha esquecido como era isto. Esqueci que era mais alto que muitas pessoas na sala e foi muito impressionante.

O autor principal, Professor Alim-Louis Benabid, disse: “Nosso paciente já considera gratificante sua mobilidade protética em rápido crescimento”.

No entanto, ele acrescentou que o estado clínico de Thibault permanece o mesmo. Outro médico disse que o estudo os leva a um “passo mais perto de ajudar pacientes tetraplégicos”

Eles acrescentaram que isso pode levar a ‘cadeiras de rodas usando atividade cerebral em vez de joysticks e progredindo para o desenvolvimento de um exoesqueleto para maior mobilidade’.

Se a medula espinhal estiver danificada ou ferida, as mensagens de e para o cérebro não são enviadas corretamente e o movimento pode parar.

O exoesqueleto é projetado para coletar essas mensagens e mover como o paciente deseja. Ele usa um algoritmo de IA para aprender como o paciente pensa.

Os sensores são colocados na cabeça entre o crânio e o cérebro, sobre áreas do cérebro que controlam o movimento nos membros.

Essa colocação varia dependendo de quais partes da medula espinhal estão danificadas e de quais movimentos um paciente não é capaz de fazer.

Cada sensor contém uma grade de 64 eletrodos, que coletam sinais cerebrais, decodificam o que significam e depois direcionam o exoesqueleto.

Outro paciente no estudo foi excluído porque uma falha técnica impediu que os implantes cerebrais se comunicassem com o algoritmo. Os implantes foram removidos.

Embora o dispositivo seja “empolgante”, o professor Tom Shakespeare, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, disse que é preciso lembrar que a pesquisa está em sua infância.

Escrevendo em um comentário vinculado, também publicado na revista The Lancet Neurology, ele disse: ‘Sempre existe um perigo de hype neste campo.

“Mesmo que sejam viáveis, as restrições de custo significam que opções de alta tecnologia nunca estarão disponíveis para a maioria das pessoas no mundo com lesão medular.

“Uma análise sugere que apenas 15% da população com deficiência do mundo têm acesso a cadeiras de rodas ou outras tecnologias assistenciais de que precisam.

“Uma originalidade deste estudo mostra o controle de quatro membros, enquanto na maioria dos estudos anteriores apenas um membro era controlado.

“Embora este estudo apresente um avanço bem-vindo e empolgante, devemos lembrar que a prova de conceito está muito longe da possibilidade clínica utilizável”.

O paciente passou dois anos progredindo com o exoesqueleto e praticava usando simulações em vídeo – como fazer um avatar andar em um videogame.

Ele foi capaz de fazer o exoesqueleto andar enquanto estava preso a um cinto suspenso no teto para apoiá-lo.

Cada movimento do exoesqueleto usa um número diferente de ‘dimensões de movimento’ – girar um interruptor usa três dimensões de movimento.

Os pesquisadores agora realizarão ensaios com mais três pacientes.


Com informações de DailyMail / BBC

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.