O chamado hormônio do amor, a oxitocina, pode valer a pena ser investigado como tratamento para COVID-19, sugere um novo estudo.

Uma das complicações mais sérias da infecção pelo novo coronavírus é uma “tempestade de citocinas”, na qual o corpo ataca seus próprios tecidos.

Atualmente não há tratamentos aprovados pela Food and Drug Administration dos EUA para COVID-19, o que significa que “reaproveitar os medicamentos existentes que podem atuar na resposta imune adaptativa e prevenir a tempestade de citocinas nas fases iniciais da doença é uma prioridade”, de acordo com Os pesquisadores.

Pesquisas anteriores sugerem que a oxitocina – um hormônio que é produzido no cérebro e está envolvido na reprodução e no parto – reduz a inflamação .

Neste novo estudo, o pesquisador Ali Imami, um assistente de pesquisa graduado da Universidade de Toledo em Ohio, e colegas usaram um banco de dados do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos para analisar características de genes tratados com drogas intimamente relacionadas à oxitocina.

Os pesquisadores descobriram que uma droga em particular, a carbetocina, tem características semelhantes (chamadas de assinatura) aos genes com expressão reduzida dos marcadores inflamatórios que desencadeiam a tempestade de citocinas em pacientes com COVID-19.

A assinatura da carbetocina sugere que a droga pode desencadear a ativação de células imunes chamadas células T, que desempenham um papel importante na resposta imune. Além disso, a assinatura da carbetocina também é semelhante à do lopinavir, um medicamento anti-retroviral em estudo como tratamento para COVID-19.
Todos esses fatores indicam que a oxitocina pode ter potencial como um tratamento direcionado para tempestades de citocinas em pacientes com COVID-19, disseram os pesquisadores em um comunicado à imprensa da American Physiological Society.

“Compreender os mecanismos pelos quais a oxitocina ou o sistema de oxitocina podem ser um novo alvo imunológico é crucial”, concluíram os autores em seu relatório, que foi publicado online recentemente na revista Physiological Genomics .

No entanto, eles acrescentaram que “a segurança e eficácia da ocitocina intravenosa em pacientes hospitalizados com COVID-19 ainda precisam ser avaliadas”.

Fonte: WebMD

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.