Pessoas que foram infectadas com Covid-19 provavelmente estarão protegidas contra contraí- lo novamente por pelo menos cinco meses, de acordo com um novo estudo conduzido pela Public Health England (PHE) .

O estudo – que ainda não foi revisado por pares – descobriu que a infecção anterior foi associada a um risco 83% menor de reinfecção, em comparação com pessoas que não foram infectadas antes.

Mas os pesquisadores alertaram que a proteção não era absoluta, o que significa que algumas pessoas pegam o vírus novamente, e que não está claro quanto tempo dura a imunidade. Também é possível que aqueles que têm algum grau de imunidade contra o vírus ainda sejam capazes de transportar o vírus no nariz ou na garganta e, portanto, transmiti-lo a outras pessoas.

“Agora sabemos que a maioria daqueles que tiveram o vírus e desenvolveram anticorpos estão protegidos contra reinfecção, mas isso não é total e ainda não sabemos quanto tempo dura a proteção”, Susan Hopkins, consultora médica sênior da PHE e col. -líder do estudo, disse em um comunicado.

“Mesmo se você acreditar que já teve a doença e está protegido, pode ter certeza de que é altamente improvável que você desenvolva infecções graves. Mas ainda há o risco de adquirir uma infecção e transmiti-la a outras pessoas”, disse Hopkins. .

O estudo de pesquisa SIREN testou regularmente quase 21.000 profissionais de saúde de todo o Reino Unido entre junho e novembro. Entre eles, 6.614 pessoas participantes testaram positivo para anticorpos contra o vírus, enquanto mais de 14.000 não tinham sinais de infecção anterior.

Mas, dos infectados, 44 desenvolveram possíveis novas infecções – representando um nível de proteção de 83% contra reinfecção.

O estudo continuará monitorando profissionais de saúde por 12 meses para ver se a proteção dura ainda mais, mas por enquanto a duração da proteção identificada significa que as pessoas que pegaram o vírus na primeira onda de infecções podem agora ser capazes de pegá-lo novamente. Também analisará o impacto da nova variante e a eficácia das vacinas Covid-19.

Mas uma visão inicial do próximo estágio do estudo mostra que algumas pessoas com imunidade existente carregam altos níveis de vírus e podem transmitir o vírus a outras.

Hopkins destacou isso durante uma entrevista ao programa Hoje da BBC na quinta-feira.

“Encontramos pessoas com quantidades muito altas de vírus em seus esfregaços de nariz e garganta, que facilmente estariam na faixa que causaria níveis de transmissão para outros indivíduos.”

Hopkins enfatizou que as pessoas que já haviam contraído Covid-19 ainda precisavam obedecer às regras de distanciamento social para evitar a transmissão da doença.

“O estudo SIREN tem implicações importantes em como podemos sair da crise atual. A boa notícia é que este estudo dá mais peso que reinfecções de Covid são raras, pelo menos nesta fase, e que ter anticorpos irá fornecer proteção para um quantidade significativa de tempo, embora possa não ser imunidade vitalícia “, disse o Dr. Simon Clarke, Professor Associado em Microbiologia Celular da Universidade de Reading, ao Science Media Center.

“A descoberta preocupante é que algumas pessoas com anticorpos Covid parecem ainda ser capazes de transportar o coronavírus e podem espalhar para outras pessoas. Isso significa que a vasta maioria da população precisará ter imunidade natural ou ter sido imunizada para nós para suspender totalmente as restrições em nossas vidas “, disse ele.

Lawrence Young, Virologista e Professor de Oncologia Molecular da Warwick Medical School acrescentou que, como os resultados cobrem os meses anteriores à implantação da nova variante, “será importante determinar se a infecção anterior com a antiga variante do vírus é capaz de oferecer proteção contra re -infecção com a nova variante do vírus. ”

A Inglaterra está atualmente sob um rígido bloqueio nacional, após o aumento de casos durante o período de férias. O Reino Unido registrou mais de 3,2 milhões de casos de infecção.

Fonte: CNN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.