Quando uma criança tem garganta inflamada , um antibiótico como a penicilina geralmente os leva de volta à escola 24 horas depois.

Mas um novo estudo alerta que cepas de bactérias que causam infecções na garganta e “doenças da pele” parecem quase se tornar resistentes à penicilina e outros antibióticos conhecidos como betalactâmicos.

“Se esse germe se tornar verdadeiramente resistente a esses antibióticos , teria um impacto muito sério em milhões de crianças em todo o mundo”, disse o principal autor do estudo, Dr. James Musser, presidente de patologia e medicina genômica do Houston Methodist Hospital.

“Essa é uma noção muito preocupante, mas plausível, com base em nossas descobertas”, disse Musser em um comunicado de imprensa do hospital.

A equipe internacional de pesquisadores analisou mais de 7.000 cepas de estreptococos do grupo A coletadas ao longo de várias décadas em todo o mundo. Eles descobriram que cerca de 2% tinham mutações genéticas de interesse.

Os testes confirmaram que essas cepas têm menor suscetibilidade a antibióticos beta-lactâmicos. Isso sugere que esses antibióticos podem eventualmente se tornar menos eficazes ou completamente ineficazes contra essas cepas, segundo os pesquisadores.

Os resultados do estudo destacam a urgência de desenvolver uma vacina contra o estreptococo do grupo A, disseram os pesquisadores.

“Poderíamos estar olhando para um problema mundial de doenças infecciosas em saúde pública”, disse Musser. “Quando a garganta inflamada não responde a antibióticos da linha de frente, como a penicilina, os médicos devem começar a prescrever terapias de segunda linha, que podem não ser tão eficazes contra esse organismo”.

O estreptococo do grupo A causa 20 a 30% das dores de garganta em crianças e 5% a 15% das dores de garganta em adultos.

O estudo foi publicado on-line em 29 de janeiro no Journal of Clinical Microbiology .

Musser e seus colegas planejam mais pesquisas para descobrir como as mutações do estreptococo do grupo A surgem nas pessoas, como elas podem afetar a saúde e como podem alterar a virulência das bactérias.

FONTE: Houston Methodist Hospital, comunicado de imprensa, 29 de janeiro de 2020

Via:  WebMD 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.