Após décadas de estudos com camundongos, a imunoterapia bacteriana parece pronta para um retorno às clínicas de oncologia

O câncer evita a destruição convencendo algumas células do sistema imunológico a suprimir outras. Mas um interlocutor surpreendente pode convencer os supressores a abandonar e os destruidores a redobrar.

Uma revisão publicada na Frontiers in Oncology explica como as bactérias podem reunir células imunológicas para atacar tumores, através de linhas antigas de comunicação química com nosso sistema imunológico. A decodificação desses sinais moleculares é essencial para o desenvolvimento de bactérias como um tratamento seguro, específico e eficaz para o câncer.

Toxinas de Coley

Há mais de um século, o cirurgião William Coley tratou com sucesso uma variedade de cânceres com injeções de bactérias mortas pelo calor. Chocado? Seus contemporâneos certamente ficaram. Em breve, o aumento da radioterapia e leis mais rígidas de segurança de medicamentos confinaram as “toxinas de Coley” ao laboratório.

Porém, os cientistas continuam testando bactérias como Salmonela, Clostridium e Listeria – que se replicam dentro das células hospedeiras – em ratos portadores de tumores de mama, cólon, pele e outros tipos de câncer. Após a injeção no sangue ou nos tecidos, essas bactérias se acumulam preferencialmente nos tumores – interrompendo seu crescimento e disseminação e prolongando a sobrevivência.

Estudos com ratos

Agora, a imunoterapia bacteriana pode retornar em breve à clínica oncológica, diz uma revisão desses estudos com ratos. De acordo com o autor sênior Prof. Basel al-Ramadi, da Universidade dos Emirados Árabes Unidos, eles mostram como “as bactérias podem reprogramar a resposta imune ao câncer” através de alvos com imunidade inata. Atendida principalmente por ‘células mielóides’, esta é a primeira linha de defesa evolucionária do corpo.

Os tumores produzem sinais que obrigam as células mieloides a suprimir o ataque de células imunes do hospedeiro, ajudam a alimentar o câncer através de novos vasos sanguíneos e até abrem caminho para se espalhar pelo corpo. Mas muitos componentes bacterianos – velhos sinais familiares para o sistema imunológico inato dos vertebrados – invertem isso. As células mieloides são atraídas para o tumor infectado por bactérias para se tornarem seus inimigos: assassinos que engolem e digerem células cancerígenas; detetives que apresentam evidência incendiária do tumor chamado “antígenos” para outras células imunes; e defensores desencantados que param de suprimir o ataque imunológico.

Fundamentalmente, as células mieloides bacterianas reprogramadas enviam um apelo químico aos seus primos altamente especializados: as células linfoides. Elas então reconhecem as células cancerígenas infectadas como estranhas, aplicando toxinas que as forçam a se autodestruir. Assim, as células linfoides intensificam os efeitos antitumorais e podem até impedir a recorrência por células de vida longa que lembram o tumor.

Retorno à clínica

Essa memória imune e outras vantagens potenciais sobre a quimioterapia e a radioterapia – como a penetração ativa de tumores – tornam a imunoterapia bacteriana uma perspectiva extremamente empolgante para o tratamento do câncer humano. O uso seguro exige que as bactérias sejam modificadas para que não causem doenças, mas isso geralmente as torna menos eficazes.
Saber quais propriedades das bactérias contribuem para a imunidade antitumoral está permitindo o design inteligente de novas cepas seguras – que também podem produzir antígenos, proteínas pró-inflamatórias ou anticorpos que aumentam a morte do tumor.


Fonte:

Frontiers in Oncology : Attenuated Bacteria as Immunotherapeutic Tools for Cancer Treatment

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.