Uma nova pesquisa confirmou ligações há muito suspeitas entre a apneia do sono e a doença de Alzheimer, encontrando sinais idênticos de dano cerebral em ambas as condições.

Embora a causa da doença de Alzheimer permaneça um mistério, as placas amiloides tóxicas para as células cerebrais são indicadores conhecidos da doença.

A nova pesquisa mostrou que essas placas começam no mesmo lugar e se espalham da mesma forma no cérebro de pessoas com apneia obstrutiva do sono, como naquelas com Alzheimer.

O estudo clínico realizado por pesquisadores australianos e islandeses, liderado pela RMIT University, foi publicado na revista Sleep.

O investigador principal, Professor Stephen Robinson, disse que os cientistas sabem que as duas doenças estão relacionadas, mas o que impulsiona a conexão ainda não está claro.

“Sabemos que, se você tiver apneia do sono na meia-idade, terá maior probabilidade de desenvolver Alzheimer quando for mais velho e, se tiver Alzheimer, terá maior probabilidade de ter apneia do sono do que outras pessoas da sua idade”, disse ele .

“A conexão existe, mas desvendar as causas e os mecanismos biológicos continua sendo um grande desafio.

“Nosso estudo é o primeiro a encontrar placas amiloides do tipo Alzheimer nos cérebros de pessoas com apneia obstrutiva do sono comprovada clinicamente.

“É um avanço importante na nossa compreensão das ligações entre essas condições e abre novas direções para os pesquisadores que se esforçam para desenvolver terapias para tratar e, com sorte prevenir, a doença de Alzheimer.”

Significativamente, a gravidade da apnéia do sono foi associada ao acúmulo correspondente de placas amiloides.

O estudo descobriu que o tratamento com pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) – a abordagem padrão para apneia do sono moderada a grave – não fez diferença para a quantidade de placas encontradas no cérebro.

Conexão de dano cerebral

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é uma doença grave que ocorre quando a respiração de uma pessoa é interrompida repetidamente durante o sono.

A SAOS é cada vez mais comum, afetando mais de 936 milhões de pessoas em todo o mundo e até 30% dos idosos.

O Alzheimer é a forma mais comum de demência, afetando até 70% de todas as pessoas com demência, sendo a idade o maior fator de risco para o desenvolvimento da doença.

O novo estudo investigou a extensão dos indicadores do tipo Alzheimer em tecido de autópsia do hipocampo de 34 pessoas e do tronco cerebral de 24 pessoas com AOS.

Os pesquisadores procuraram placas amiloides e emaranhados neurofibrilares, outro indicador conhecido da doença de Alzheimer.

O hipocampo é a parte do cérebro associada à memória.

Na doença de Alzheimer, as placas e emaranhados aparecem primeiro em uma área cortical próxima e depois se movem para o hipocampo, antes de se espalharem para o resto do córtex.

Embora o estudo tenha encontrado placas e emaranhados no cérebro de pessoas com apneia do sono, as placas mostraram uma associação mais forte com apneia do sono grave.

osa alzheimers neuroscinews - Ligação entre apneia do sono e doença de Alzheimer confirmada
O estudo mostrou que a gravidade da apneia do sono estava associada a um aumento correspondente de placas amilóides (vistas aqui como manchas marrons no tecido cerebral). A imagem é creditada à Universidade RMIT.

“Em casos de apneia do sono leve, só pudemos encontrar placas e emaranhados na área cortical perto do hipocampo, exatamente onde são encontrados pela primeira vez na doença de Alzheimer”, disse Robinson, pesquisador da Escola de Saúde e Ciências Biomédicas da RMIT e da Austin Health’s Instituto de Respiração e Sono (IBAS).

Os sujeitos da pesquisa não mostraram sintomas clínicos de demência antes de morrer, sugerindo que eles podem estar em um estágio inicial de pré-demência.

“Embora algumas pessoas possam ter comprometimento cognitivo leve ou demência não diagnosticada, nenhuma apresentou sintomas fortes o suficiente para um diagnóstico oficial, embora algumas tivessem uma densidade de placas e emaranhados suficientemente alta para se qualificar como doença de Alzheimer”, disse Robinson.

“O próximo estágio de nossa pesquisa será continuar analisando essas amostras para obter um entendimento completo da neuropatologia, incluindo sinais de inflamação e alterações nos vasos sanguíneos que fornecem nutrientes para o cérebro.

“O tamanho da amostra para este estudo foi limitado, então também gostaríamos de trabalhar no sentido de estabelecer um estudo clínico com uma coorte maior.”

Fonte: Garvan Institute of Medical Research

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.