Indivíduos na Bélgica e na Holanda foram reinfectados com o coronavírus, informou a mídia holandesa. Alguns especialistas acreditam que é um bom sinal.

Um paciente na Holanda e outro na Bélgica foram reinfectados com o coronavírus, informou a mídia holandesa na terça-feira, após relatos de que cientistas em Hong Kong confirmaram a primeira reinfecção conhecida.

O paciente holandês era um idoso com sistema imunológico enfraquecido, relatou a emissora holandesa NOS, citando a virologista Marion Koopmans.

Koopsmans disse que é mais comum as pessoas permanecerem infectadas com o vírus por um longo tempo, mas com sintomas leves, antes que ele apareça novamente. Uma reinfecção – como é o caso dos casos holandês e belga – requer testes genéticos tanto no primeiro quanto no segundo caso de infecção para ver se há diferenças no vírus presente, disse Koopmans.

“O fato de alguém aparecer com uma reinfecção não me deixa nervosa”, disse ela. “Temos que ver se isso acontece com frequência.”

Caso belga ‘não é uma boa notícia’

O paciente belga apresentou apenas sintomas leves, relatou a NOS, citando o virologista Marc Van Ranst. “Não são boas notícias”, disse Ranst.
O desenvolvimento mostra que os anticorpos que o paciente desenvolveu no primeiro caso não eram fortes o suficiente para evitar uma infecção de uma variante ligeiramente diferente do vírus, disse ele.

Não está claro se este é um fenômeno raro ou se há “muito mais pessoas que poderiam ter uma reinfecção após seis ou sete meses”, disse ele.

Primeira reinfecção confirmada em Hong Kong

Os desenvolvimentos europeus seguem os relatórios de segunda-feira sobre a primeira reinfecção confirmada por coronavírus , um homem em Hong Kong.

O homem de 33 anos, que foi infectado com o vírus em março, voltou em meados de agosto de uma viagem à Espanha infectado com uma cepa diferente.

“Os pacientes do COVID-19 não devem presumir, depois de se recuperarem, que não serão infectados novamente”, disse elvin Kai-Wang To, microbiologista da Universidade de Hong Kong.

“Isso mostra que algumas pessoas não têm imunidade vitalícia” ao vírus, mesmo que já tenham sido infectadas, disse To.

Alguns especialistas veem as notícias como um desenvolvimento positivo. “Se houver uma reinfecção, isso sugere a possibilidade de haver imunidade residual … que ajudou a proteger o paciente ” de ficar doente novamente, disse Jesse Goodman, um ex-cientista-chefe da Food and Drug Administration dos EUA, agora na Universidade de Georgetown. ao caso de Hong Kong.

O paciente de Hong Kong não apresentou sintomas durante sua infecção mais recente.

Implicações para o desenvolvimento de vacinas

A possibilidade de reinfecção tem implicações para a corrida global para desenvolver uma vacina e para as principais decisões sobre quando as pessoas retornam à escola e ao trabalho.

Falando sobre o caso de Hong Kong, o microbiologista da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, Brendan Wren, disse que o caso era “um exemplo muito raro de reinfecção e não deveria negar o impulso global para desenvolver vacinas COVID-19.”

Com informações do G1 / Créditos da imagem: reprodução Youtube

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.