Uma mulher de Pittsburgh tornou-se a primeira pessoa viva com um caso documentado de uma condição médica incomum em que o álcool é produzido naturalmente na bexiga a partir da fermentação da levedura.

A condição, que os pesquisadores propõem chamar de “síndrome de fermentação da bexiga” ou “síndrome da autobrewery urinária”, é semelhante a outra condição incrivelmente rara, a síndrome da autobrewery, em que a simples ingestão de carboidratos pode ser suficiente para deixá-lo embriagado, mesmo sem consumir qualquer álcool por meios regulares.

No caso, os médicos tomaram conhecimento do que parece ser uma síndrome relacionada, após atenderem a uma paciente de 61 anos que apresentava lesão hepática e diabetes mal controlado .

A mulher visitou o Hospital Presbiteriano do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh para ser colocada em uma lista de espera de transplante de fígado. Os médicos já haviam suspeitado que seus problemas eram decorrentes do vício do álcool, devido a repetidos testes de urina para o álcool mostrando consistentemente positivos.

“Inicialmente, nossos encontros foram semelhantes, levando nossos médicos a acreditar que ela estava escondendo um transtorno por uso de álcool”, explicam seus médicos em um relatório de caso publicado em fevereiro do ano passado.

“No entanto, notamos que os resultados dos testes de plasma para etanol e os resultados dos testes de urina para etil glucuronídeo e sulfato de etila, que são os metabólitos do etanol, foram negativos, enquanto os resultados dos testes de urina para etanol foram positivos.”

Além disso, além de negar sistematicamente o consumo de álcool, a paciente não parecia apresentar sinais de intoxicação durante as visitas à clínica, embora sua urina apresentasse altos teores de etanol.

Outro mistério era a presença de grandes quantidades de glicose em sua urina – uma condição chamada hiperglicosúria – com níveis abundantes de fermento em brotamento observados em amostras de urina.

“Essas descobertas nos levaram a testar se a colonização do fermento na bexiga poderia fermentar o açúcar para produzir etanol”, escreveram os pesquisadores .

Fazendo testes em sua urina, a equipe confirmou níveis notavelmente altos de produção de etanol, sugerindo que seus resultados estranhos se deviam à levedura fermentando açúcar na bexiga.

A levedura em questão foi identificada como Candida glabrata , uma levedura natural encontrada no corpo e aparentada com a levedura de cerveja, mas normalmente não encontrada em tal abundância.

Infelizmente, os esforços para eliminar a levedura com tratamentos antifúngicos falharam, talvez devido ao diabetes mal controlado do paciente. À luz da situação aparentemente única da mulher, os médicos observam que ela foi reconsiderada para o transplante de fígado, embora o relatório não deixe claro o que aconteceu com a paciente.

Ao pesquisar o caso da mulher, os médicos tomaram conhecimento de outros relatórios envolvendo a produção semelhante de etanol na urina, mas apenas em um caso pós-morte e em experimentos realizados in vitro .

Dito isso, é possível que outros pacientes tenham apresentado essa rara condição médica antes, mas os sintomas não foram reconhecidos, devido à natureza incomum e amplamente desconhecida da patologia.

“A experiência que descrevemos aqui de duas equipes de transplante de fígado em instituições diferentes demonstra como é fácil ignorar os sinais de que a síndrome da autopercepção urinária pode estar presente”, disseram os médicos .

“Os médicos devem ser diligentes em prestar muita atenção à documentação do prontuário médico e aos resultados laboratoriais e devem sempre investigar no caso de incongruências.”

As descobertas foram relatadas na revista Annals of Internal Medicine .

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.