Era comum as pessoas viajarem ao exterior e trazer muitos frascos de melatonina, um medicamento vendido livremente nos Estados Unidos e conhecido como o hormônio do sono. Desde outubro a Anvisa liberou a comercialização do mesmo no Brasil e o produto chegou as farmácias em dezembro, no entanto, especialistas afirmam que não existe comprovação cientifica para o uso do mesmo e recomenda cautela.

De acordo com reportagem da BBC News Brasil, alguns estudiosod criticam a decisão da venda de Melatonina sem nenhuma prescrição médica nas farmácias brasileiras. “É preocupante que a melatonina seja vendida como se fosse um picolé. Não estamos falando de uma substância inócua e seu uso errado pode trazer problemas”, garante o neurocientista Fernando Mazzilli Louzada, coordenador do Laboratório Cronobiologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

A critica também se estende ao fato da Melatonina ser enquadrada como um suplemento alimentar. Dalva Poyares, neurologista e pesquisadora do Instituto do Sono, de São Paulo, garante que não existe nenhum estudo que indique o medicamento como tratamento para a insônia. Ainda segundo ela, não existe um consenso de quando há uma deficiência desse hormônio no organismo das pessoas.

O que é a melatonina?

A melatonina é um hormônio produzido pela glândula pineal, uma estrutura que fica bem no centro do cérebro. Ela só acontece na ausência de luz, por isso conforme o sol passa a se por começa o processo de produção dele nas pessoas, preparando o organismo para o sono noturno. É dessa forma que os outros órgãos do corpo conseguem identificar quando é dia ou noite, no entanto, através do advento da eletricidade houve uma secreção da melatonina, já que a população passou a se expor a muitas luzes durante a noite.

O que diz a Anvisa?

Ao decretar a liberação da comercialização do hormônio no Brasil, a agência regulatória Anvisa afirmou que o mesmo já é comercializado em muitos outros países como suplemento alimentar e medicamento para uso variado. “Devido ao interesse dos consumidores e do setor produtivo no acesso e na oferta de produtos contendo essa substância” será testado a segurança e a eficácia dos comprimidos e gotas colocados a venda.

Informações são do G1 / Créditos da imagem:TV Globo

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.