David Bennett Sr., o paciente de 57 anos com doença cardíaca terminal que se tornou a primeira pessoa a receber um coração de porco geneticamente modificado , morreu.

Bennett faleceu na terça-feira, de acordo com um comunicado do Centro Médico da Universidade de Maryland, em Baltimore, onde o transplante foi realizado.

Bennett recebeu o transplante em 7 de janeiro e viveu por 2 meses depois.

Embora não tenha dado a causa exata de sua morte, o centro médico disse que a condição de Bennett começou a piorar vários dias antes de sua morte.

Quando ficou claro que ele não se recuperaria, ele recebeu cuidados paliativos compassivos e conseguiu se comunicar com sua família durante suas últimas horas.

“Estamos devastados com a perda do Sr. Bennett. Ele provou ser um paciente corajoso e nobre que lutou até o fim. Estendemos nossas mais sinceras condolências à sua família”, Bartley P. Griffith, MD, que realizou o transplante, disse no comunicado.

“Somos gratos ao Sr. Bennett por seu papel único e histórico em ajudar a contribuir para uma vasta gama de conhecimentos no campo do xenotransplante”, que é o processo de transplante de órgãos entre diferentes espécies, disse Muhammad M. Mohiuddin, MD, diretor do programa de xenotransplante cardíaco da University of Maryland School of Medicine.

Antes de receber o coração de porco geneticamente modificado, Bennett precisava de suporte mecânico para permanecer vivo, mas foi rejeitado por um transplante de coração padrão no Centro Médico da Universidade de Maryland e em outros centros.

Após a cirurgia, o coração de porco transplantado teve um bom desempenho por várias semanas sem nenhum sinal de rejeição. Bennett conseguiu passar um tempo com sua família e fazer fisioterapia para ajudar a recuperar as forças.

“Este transplante de órgão demonstrou pela primeira vez que um coração de animal geneticamente modificado pode funcionar como um coração humano sem rejeição imediata pelo corpo”, disse o centro médico em comunicado três dias após a cirurgia.

Graças a Bennett, “obtemos informações valiosas ao aprender que o coração de porco geneticamente modificado pode funcionar bem dentro do corpo humano enquanto o sistema imunológico é adequadamente suprimido”, disse Mohiuddin.

“Continuamos otimistas e planejamos continuar nosso trabalho em futuros ensaios clínicos “, disse ele.

O filho de Bennett, David Bennett Jr, disse que a família está “profundamente grata pela oportunidade de prolongar a vida” dada a seu pai pela “equipe estelar” da Escola de Medicina da Universidade de Maryland e do Centro Médico da Universidade de Maryland.

“Conseguimos passar algumas semanas preciosas juntos enquanto ele se recuperava da cirurgia de transplante, semanas que não teríamos sem esse esforço milagroso”, disse Bennett Jr..

“Também esperamos que o que foi aprendido com sua cirurgia beneficie futuros pacientes e esperamos que um dia acabe com a escassez de órgãos que custa tantas vidas a cada ano”, disse ele.

Informações do G1

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.