Uma compreensão completa dos traços de personalidade ansiosos pode levar a terapias direcionadas.

Em seu ensaio, “O problema da ansiedade”, Sigmund Freud escreveu que a ansiedade é o “fenômeno fundamental e o problema central da neurose”. No entanto, você não encontrará uma palavra final sobre o assunto nos escritos de Freud. Suas teorias sobre ansiedade evoluíram ao longo de sua vida. No final de sua carreira ilustre e controversa, ele admitiu que provavelmente nunca definiria completamente o que a ansiedade implica.

Isso não significa que suas contribuições foram em vão. Ninguém contribuiu tanto para nossa compreensão dos impulsos inconscientes que alimentam nossa realidade. As ideias de Freud sobre a sexualidade são regularmente debatidas — mesmo que ele tenha se afastado de seus primeiros trabalhos —, mas ele sabia o que outros, como Kierkegaard e Rank, reconheciam: a ansiedade é nosso estado natural. Estar consciente é ter ansiedade. É o custo de ser capaz de prever o futuro. Como você lida com essa ansiedade em grande parte define sua personalidade.

Freud chama a ansiedade objetiva de “prontidão ansiosa”. Essa função arma o indivíduo para que não seja surpreendido por ameaças repentinas. Estar excessivamente preparado, no entanto, leva a problemas: suas ações ficam paralisadas. Esta é a função de “congelamento” do nosso sistema nervoso. Essa também é a base da ansiedade social: a incapacidade de estar em público ou, quando você precisa sair, o puro terror de estar entre outras pessoas.

Uma nova pesquisa da Universidade de Uppsala, publicada na revista PLOS ONE , investiga as ramificações da ansiedade social. A conclusão a que o autor principal, Tomas Furmark, chega: sofredores de transtornos de ansiedade social exibem traços de personalidade diferentes dos outros.

A personalidade é definida pelos cinco grandes traços : abertura à experiência, conscienciosidade, extroversão, amabilidade e neuroticismo. Cada uma dessas características opera ao longo de um espectro. Você é curioso ou cauteloso? Você é compassivo com seu parceiro ou é emocionalmente distante? Você pisa no centro de uma festa ou você é o perpétuo wallflower que sai pela porta dos fundos?

Contexto importa. Você pode ser extrovertido em um ambiente no qual se sinta confortável, exalando muita confiança. Ande ao lado e de repente você está reservado e nervoso. A ansiedade está ligada ao ambiente e sua personalidade não é fixa. Você pode mudar de lugar em qualquer um dos espectros, que é o objetivo da terapia.

Para quem sofre de ansiedade social, o movimento lateral é difícil. Assim como as pessoas deprimidas geralmente não conseguem imaginar o futuro, os socialmente ansiosos acham difícil estar em público. Há contexto aqui também. O supermercado pode ser fácil, mas aquele coquetel nunca vai acontecer. No extremo, a ansiedade social significa apenas sair de casa para fins específicos e direcionados, e mesmo essas viagens o deixam ansioso.

A equipe de Uppsala pediu a 265 voluntários com ansiedade social que preenchessem pesquisas abrangentes de personalidade. Eles identificaram três grupos com base na análise de cluster: transtorno de ansiedade social prototípico (33%), cujos membros parecem altamente ansiosos e introvertidos; transtorno de ansiedade social introvertido-consciencioso (29%), cujos membros são introvertidos, mas também têm altos níveis de consciência; e transtorno de ansiedade social aberta e instável (38 por cento), com indivíduos pontuando alto em abertura.

Embora as causas de cada distúrbio sejam diferentes, Fumark e sua equipe identificaram traços de personalidade específicos que parecem ser universais: alto neuroticismo e introversão, instabilidade emocional e tendência a se fechar.

Os pesquisadores acreditam que definir essas características ajuda a expandir nossa compreensão dos transtornos de ansiedade social, o que ajuda os terapeutas a direcionar cada subtipo. Como a equipe conclui,

“Os subtipos de personalidade SAD podem ter diferentes etiologias e parece plausível que indivíduos exibindo características de personalidade muito diferentes exijam diferentes estratégias de tratamento”.

Por exemplo, a terapia cognitivo-comportamental pode ser utilizada com foco na abordagem social para tratar pacientes com SAD com depressão ou baixa energia. Abordagens direcionadas podem funcionar melhor para pacientes com certos tipos de características em comparação com outros com características diferentes. Como sempre, a equipe recomenda mais pesquisas, mas este parece ser um passo importante para entender os vários tons de ansiedade social.

Derek Beres em BIG think

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.