Lesões da medula espinhal (LME) são danos parciais ou totais à medula espinhal, geralmente resultando em incapacidade permanente e paralisia, com efeitos devastadores na vida dos sobreviventes, nas famílias e na sociedade.

Para dar um contexto, a gravidade da deficiência após uma fratura de crânio é de 43%. Depois de um LME, é 72%. Os prestadores de cuidados de saúde consideram amplamente as LME como condições que não podem ser tratadas, mas apenas geridas através de reabilitação extensiva .

Agora, a pesquisa no campo da neurociência pode marcar uma mudança na forma como as LME são abordadas em todo o mundo, mas especialmente na Índia. As descobertas desses estudos têm potencial para o tratamento real, talvez até mesmo para a recuperação de LME.

O Dr. Priyesh Dhoke, um cirurgião de coluna, enfatizou a “natureza irreversível do dano causado por lesão completa da medula espinhal”. Ele continuou, enfatizando que a reabilitação é “o fim de tudo para fortalecer os músculos que ainda mantêm sua mobilidade”. Apesar dos avanços significativos no campo, o consenso médico ainda parece estar fornecendo reabilitação de apoio como o curso de ação de primeira linha para LME, em vez de trabalhar para uma recuperação completa.

“Eu consultei 40 médicos em 12 anos, mas eles não conseguiam descobrir como me tratar ‘, disse Hitesh, um sobrevivente da LM, em um vídeo do YouTube que documenta o tratamento da LM. Hitesh sofreu dores terríveis na parte superior do corpo e nas costas após um acidente há 15 anos. A dor após o dano em sua coluna era tanta que até mesmo um “toque leve como uma pluma iniciava violentos espasmos e movimentos involuntários, fazendo-o jogar os braços ferozmente para frente e para trás, em reação à dor”, de acordo com seu neurocirurgião Dr. AD Banerjee .

Leia também: Como sua posição de dormir afeta sua saúde

As LMs costumam ser chamadas de paralisia da vida e dos membros, uma vez que afetam profundamente não apenas a saúde física dos sobreviventes, mas também seu bem-estar emocional, estabilidade econômica e saúde mental.

A vida e os meios de subsistência dos pacientes mudam permanentemente, pois, em muitos casos, o sofredor pode ser o único ganhador da família.

A abordagem tradicional para o tratamento de LME é o manejo paliativo dos sintomas e da deficiência, com foco na reabilitação e aconselhamento. As instituições médicas atuais são construídas em torno do fornecimento de fisioterapia, controle da dor por tratamento de calor ou pulso elétrico e, dependendo da extensão da lesão, reabilitação de longo prazo e treinamento para recuperar algum controle muscular em casos menos graves de LM.

Embora esta abordagem seja essencial para assegurar a contínua atividade e mobilidade de um paciente, não é uma panaceia, uma vez que não pode curar a paralisia, nem inteiramente aliviar a dor crônica sofrida pelo paciente.

O mais próximo que o mundo viu que se aproxima da recuperação total das LMs é a promessa realizada pela terapia com células-tronco para regenerar as fibras nervosas perdidas. Outra abordagem que vem sendo estudada nos últimos anos é a aplicação de estimulação elétrica contínua abaixo do local da lesão na medula espinhal, por meio de implante peridural .

No entanto, os implantes precisam de uma configuração de laboratório e aplicação treinada por médicos ou profissionais. Outra desvantagem considerável desse tratamento é o custo dos implantes e do processo cirúrgico, seguido por um tratamento extenso e treinamento de reabilitação, que somados têm um custo muito alto . Isso torna o tratamento inacessível para a maioria dos pacientes.

Leia também: Rara mutação genética faz pessoas dormirem pouco e se sentirem bem

Mas dois estudos individuais, publicados no início de janeiro, anunciam uma mudança.

O primeiro estudo, conduzido em ratos, mostrou que ratos paralisados ​​podem andar novamente após as injeções de uma citocina projetada (hiper interleucina 6) em regiões específicas de controle da atividade motora no cérebro. Os ratos caminharam novamente duas a três semanas após receberem a terapia. No outro estudo piloto , pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, ajudaram seis pacientes humanos com LM a recuperar o controle voluntário de seus movimentos aplicando estimulação elétrica não invasiva ao longo da coluna, combinada com reabilitação física intensiva.

O segundo estudo observou que a magnitude das melhorias registradas foram equivalentes ou substituídas pelo tratamento com implantes epidurais. O aspecto impressionante da recuperação dos participantes foi que eles foram capazes de manter as funções recuperadas por até seis meses após a estimulação. Outro aspecto foi que os pacientes foram capazes de mostrar melhorias marcantes nos estágios iniciais de estimulação, o que ajudou a motivá-los durante o período de treinamento físico intensivo do tratamento. Dois participantes conseguiram até recuperar habilidades motoras finas, como tocar violão e pintura a óleo, pela primeira vez em 12 anos desde que se machucaram.

O autor sênior Chet Moritz, da Universidade de Washington, supõe que os pulsos elétricos atuam como impulsionadores ou amplificadores de sinais já existentes (por meio de fibras nervosas que sobreviveram a acidentes / traumas), que podem ser insuficientes por si mesmas para produzir movimento.

O estudo liderou um ensaio clínico internacional que será o primeiro a avaliar a terapia de estimulação da medula espinhal não invasiva em larga escala. O estudo tem como objetivo avaliar 65 indivíduos dos Estados Unidos, Canadá e Europa. O recrutamento de participantes para o ensaio, denominado Up-LIFT , está em andamento.

Divya Narasimhan / SWADDLE

 

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.