Por Flavia Coltri / via Jornal da USP

Material foi projetado para combater cáries e gengivites. Agora, os pesquisadores estão realizando testes para ver se há também propriedades contra o novo coronavírus

O aparelho ortodôntico é utilizado para corrigir os dentes e obter o sorriso perfeito. Mas demanda diversos cuidados especiais, principalmente em relação à higiene. O objeto dificulta a escovação correta e uso do fio dental, o que pode provocar problemas como cárie e gengivite. Além disso, muitas vezes os materiais utilizados na confecção desses aparelhos contribuem para o acúmulo de microrganismos na boca.

Para evitar esses problemas, pesquisadores da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) da USP, em conjunto com o professor Oswaldo Luiz Alves, do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), desenvolveram um método que transforma o cimento utilizado na colagem das peças do aparelho ortodôntico em um inibidor da colonização de bactérias, fungos e vírus.

A professora e coordenadora da pesquisa, Andréa Cândido dos Reis, do Departamento de Materiais Dentários da Forp, explica que a inovação vem da adição do vanadato de prata nanoestruturado (produto químico da união dos metais prata e vanádio, transformados no nível de nanoestruturas) no cimento que cola o aparelho ortodôntico nos dentes.

“Conseguimos propor um cimento com propriedades físico-químicas e mecânicas favoráveis para a manutenção e fixação do aparelho, mas que também apresenta propriedades antimicrobianas.”

Como muitas pesquisas científicas mostram o potencial antiviral da prata, desde o início da pandemia pelo novo coronavírus, a equipe da professora Andréa vem realizando testes com os materiais utilizados no cimento odontológico com objetivo de descobrir possíveis efeitos contra a covid-19. Os pesquisadores estão realizando vários testes e esperam chegar a um novo produto com as propriedades necessárias para o combate ao SARS-CoV-2. “Acreditamos que em breve teremos resultados positivos”, afirma a professora.

Ouça a entrevista completa da professora Andréa Cândido dos Reis e do pós-doutorando André Luís Botelho ao Jornal da USP no Ar 

Créditos da imagem: Pixabay

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.